segunda-feira, 2 de maio de 2016

O beijo


Por vezes, e de modo muito subtil, as circunstâncias da vida levam-me a acreditar que as noites deixaram completamente de ter estrelas.
Esta minha noite teve sobretudo, “ausência de estrelas” porque comecei a perder a esperança de que as nuvens se dissipassem.
Agora, e depois uma noite difícil à cabeceira do meu pai, recebo o calor e a claridade do sol, desfazendo este engano que nasceu de um olhar cheio de dor e de falta de esperança.
Sinto que a vida do meu pai está muito frágil, cada vez mais... e temo estes momentos que me recordam partidas.

Ontem era o dia da mãe, da minha e de todas as mães. “O beijo de Klimt” que escolhi é para ela com saudade.  

Alice