sábado, 27 de fevereiro de 2010

"Passo a rezar, se entrar..."


http://www.passo-a-rezar.net

"Passo a rezar" Mais... com ajuda e em sintonia com outros...

Somos convidados a rezar, a conferir, a preferir... o bem! Nem sempre é fácil...
A Igreja convida-nos a Esperar, a Crer em Jesus Cristo que Morreu mas tambem Ressuscitou.
Que possamos viver esta quaresma sentindo a experiencia da Esperança, da Fé e da Caridade em Cristo Jesus.

UMA AJUDA: Foi lançado hoje pelo Secretariado Nacional do Apostolado da Oração um novo sítio da internet. Chama-se "Passo a Rezar" e encontra-se no site www.passo-a-rezar.net. Neste site, propõe-se, para download ou escuta imediata, uma oração diária (de segunda a sexta-feira), com cerca de 10 minutos, em formato mp3 (áudio: voz e música), tendo como inspiração um dos textos bíblicos da liturgia do dia.

Na concretização deste projecto, são parceiros do Secretariado Nacional do Apostolado da Oração, o Grupo Renascença (gravação e edição dos conteúdos); o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, da Conferência Episcopal Portuguesa; e o Jesuit Media Initiatives, de Inglaterra, criador da ideia original (http://www.pray-as-you-go.org/).

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Um vazio que se enche de Deus



Gosto muito deste poema, no sentido em me leva a reflectir, e a ter cada vez mais a certeza de que em Deus não há vazios porque tudo se pode encher de vida e de amor.

Poema
Aqui estou eu, sou uma folha de papel vazia
Pequenas coisas, pequenos pontos
Vão-me mostrando o caminho
Às vezes aqui faz frio
Às vezes eu fico imóvel, pairando no Vazio
As vezes aqui faz frio
Sei que me esperas, não sei se vou lá chegar
Tenho coisas p’ra fazer, tenho vidas para acompanhar
Às vezes lá faz mais frio
Às vezes eu fico imóvel, pairando no vazio
No perfeito vazio
Às vezes lá faz mais frio
(lá fora faz tanto frio)
Bem-vindos a minha casa, ao meu lar mais profundo
De onde saio por vezes para conquistar o mundo
Às vezes tu tens mais frio
Às vezes eu fico imóvel, pairando no vazio
No perfeito vazio
Às vezes lá faz mais frio
No teu peito vazio

Xutos e Pontapés, “Perfeito vazio”

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Sereis fortes

Este video foi-me enviado por um amigo, não resisto a partilhá-lo porque o acho tão cheio de sentido, de verdade e de esperança...

domingo, 7 de fevereiro de 2010

De agora para a frente, sem medo...


« Um dia estava Jesus à beira do lago de Genesaré e a multidão apertava-o, porque queria ouvir a mensagem de Deus.
Ele viu dois barcos parados junto à praia. Os pescadores tinham saído e estavam a lavar as redes. Jesus entrou num dos barcos, que era de Simão Pedro, e pediu-lhe que o afastasse um pouco da terra. Os pescadores tinham deixado os barcos e estavam a lavar as redes.
Jesus subiu para um barco, que era de Simão, e pediu-lhe que se afastasse um pouco da terra.
Depois sentou-Se e do barco pôs-Se a ensinar a multidão. Quando acabou de falar, disse a Simão:
«Faz-te ao largo e lançai as redes para a pesca».
Respondeu-Lhe Simão: «Mestre, andámos na faina toda a noite e não apanhámos nada. Mas, já que o dizes, lançarei as redes».
Eles assim fizeram e apanharam tão grande quantidade de peixes que as redes começavam a romper-se. Fizeram sinal aos companheiros que estavam no outro barco para os virem ajudar...» eles vieram e encheram ambos os barcos de tal modo que quase se afundavam.
Jesus disse a Simão: «Não temas. Daqui em diante serás pescador de homens». Tendo conduzido os barcos para terra, eles deixaram tudo e seguiram Jesus.
De S. Lucas 5

A Vida vai fazendo de mim uma pessoa que parece ausente, mas não... Aqui estou, venho de vez em quando, amigos.
Cresce em mim uma forte convicção, de que é preciso «fazer-me ao largo», continuar mesmo sem certezas… E hoje ao contemplar este texto de S. Lucas e o desafio que nos lança, pressinto mais uma vez o longo caminho a fazer.
Então... vim até à "minha praia" e comigo... mesmo à beirinha, Ele quer estar, sem dizer nada, sem forçar a sua presença. Só deseja que eu seja também presença no mundo.
As pegadas que O trouxeram até junto de mim são nítidas e únicas... Como cheguei aqui não sei... Não sinto os pés, mas também não sinto cansaço algum, só me dou conta dos olhos a arder pelas lágrimas que derramei na viagem.
Cheguei ao colo de alguém? Talvez sim... talvez não... Mas VIM.
Não vejo os barcos nem as redes, mas um mar infinitamente calmo está a envolver-me no tal abraço, de que vos tenho falado sempre que me ponho nos braços de Deus.
Não há sol nem nuvens, não há frio nem calor, não há silêncio nem ruído...Parece-me ouvir só o som da esperança...