quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Feliz Ano Novo!


Pensa em todo o bem que te aconteceu durante este ano... agradece ao Senhor!

Nada te impede de continuar a sonhar... SONHA com um mundo melhor...
O amor gratuito é possível... Acredita no AMOR !


Gostas da sinceridade? A VERDADE existe...
Sonha com um
mundo de verdade de PAZ!

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Quero que saibas...



«Quero que saibas que cada vez que me convidas, eu venho sempre, sem falta. Venho em silêncio e de forma invisível, mas com um poder e um amor que não acabam.

Não há nada na tua vida que não tenha importância para mim. Sei o que existe no teu coração, conheço a tua solidão e todas as tuas feridas, as tuas rejeições e humilhações. Eu suportei tudo isto por causa de ti, para que pudesses partilhar a minha força e a minha vitória. Conheço, sobretudo, a tua necessidade de amor.

Nunca duvides da minha misericórdia, do meu desejo de te perdoar, do meu desejo de te bendizer e viver a minha vida em ti, e que te aceito sem me importar com o que tenhas feito. Se te sentes com pouco valor aos olhos do mundo, não importa.

Não há ninguém que me interesse mais no mundo do que tu. Confia em mim. Pede-me todos os dias que entre e que me encarregue da tua vida e eu o farei. A única coisa que te peço é que confies plenamente em mim. Eu farei o resto.

Tudo o que procuraste fora de mim só te deixou ainda mais vazio. Portanto, não te prendas às coisas passageiras. Mas, sobretudo, não te afastes de mim quando caíres. Vem a mim sem demora, porque quando me dás os teus pecados, dás-me a alegria de ser o teu Salvador. Não há nada que eu não possa perdoar.Não importa o quanto tenhas andado sem rumo, não importa quantas vezes te esqueceste de mim, não importa quantas cruzes levas na tua vida. Tu já experimentaste muitas coisas, no teu desejo de seres feliz.

Porque é que não experimentas abrir-me o teu coração, agora mesmo, mais do que antes?»


Madre Teresa Calcutá

sábado, 27 de dezembro de 2008

A Neve

Hoje acordámos com a neve a cair intensamente...Que frio se fazia sentir quando abrimos as janelas! Flocos de neve "branca"? a tocar ao de leve no nosso rosto! Uma espécie de "novo Natal" a chegar para nos acariciar um pouco.
Apressámo-nos a tirar algumas fotos...Temos vários ângulos de visão, mas a nossa casa está rodeada de outras casas, ainda assim fomos conseguindo!
Já parou de nevar... o astro continua com o tom branco aveludado, misterioso, como acontece sempre que neva...
Estou no quentinho mas sinto a nostalgia deste dia cheio de beleza de brancura e de saudade...

"A casa da saudade chama-se memória: é uma cabana pequenina a um canto do coração". (Henrique Maximiliano Neto)



Ontem li este conto e lembrei-me de partilhar alguns extratos, fala de uma neve especial...

..."O frio está lá fora, e a geada, e a noite impenetrável. A Criança anima-se, já esqueceu a decepção, para o ano tal­vez a deixem lançar o foguete sozinho. Também tem uma história para contar, só está a espera de uma pausa, de um momento mágico em que todos se calem, acaso emudeci­dos por um anjo que passou deixando apenas a imagem de um dedo imperioso sobre os lábios cerrados. O momento está a chegar por fim, uma a uma calam-se as bocas da Família, e agora ou nunca, a Criança inspira fundo, rompe o silêncio, começa a falar. A Família olha surpreendida, dá al­guma atenção, mas não muita nem por muito tempo, não dura, não pode durar, as vozes regressam do silêncio, e é o Pai que lhe corta a narrativa com uma frase que faz rir toda a gente. Uma frase que vai fazer chorar a Criança.
Porque o Menino, a Criança é um menino, levanta-se da mesa, abre a porta, separa-se da Família e desce os três degraus de pedra que conduzem ao mundo. Ali adiante há um muro caiado, baixo, como uma varanda dando para terras igno­radas. A Criança vai debruçar-se sobre o muro, deixa cair a cabeça sobre os bravos cruzados, e o terrível nó das lágrimas desata-se dentro de si. Da casa vem risos e vozes, alguém fala muito alto, e depois ressoam gargalhadas. Ninguém está pensando na Criança.
Faz muito frio. Visto daqui, o céu parece estar feito de veludo negro. E há as estrelas. Duras, nítidas, implacáveis, quase ferozes. A Criança levanta os olhos. Lá estão elas a brilhar. Olhadas através das lágrimas, as estrelas são dife­rentes. Mundo estranho, estranho mundo, este. Sob os passos da Criança, o chão duro e gelado range. E, em fren­te, as árvores negras, misteriosas, onde a noite os grandes medos se vão esconder, tomam o ar confidencial de quem conhece todos os segredos futuros, a hora e o lugar onde acontecera o terceiro nascimento, e o quarto, e o quinto, todos os aqueles que ainda esperam a esta Criança, ate mes­mo quando de havê-lo sido já não lhe restar memória.
As Crianças estão sempre a nascer. As vezes nascem de explosivas alegrias, de achados incríveis, de deslumbra­mentos únicos, mas o mais frequente, uma vez após outra, e nascerem de cada tristeza sofrida em silêncio, de cada des­gosto padecido, de cada frustração imerecida. Há que ter muito cuidado com as Crianças, nunca me cansarei de o dizer.


Um dia uma Professora teve uma ideia de Professo­ra e mandou aos seus alunos que fizessem uma composição plástica sobre o Natal. Claro está que não empregou esta linguagem, o que disse foi: «Façam um desenho sobre o Natal. Usem lápis de cores, ou aguarelas, ou papel de lus­tro, o que quiserem. E tragam na segunda-feira». Uns com lápis, outros com aguarelas, outros com papel recortado, alguns pintando com os dedos, todos cumpriram o melhor que puderam. Apareceu tudo quanto a costume nestes ca­sos: o presépio, os reis magos, os pastores, São José, a Vir­gem e, inevitavelmente, o Menino Jesus. Bem feitos uns, mal feitos outros, toscos ou esmerados, os desenhos caíram na segunda-feira em cima da secretaria da Professora. Ali mesmo ela os viu e lhes pôs nota.
Ia marcando «bom», «mau», suficiente», como se com esses juízos os marcasse para a eternidade. De repente. Ah, quantas vezes ainda te­remos de dizer que é preciso muito cuidado com as crianças! A Professora segura um desenho nas mãos, um dese­nho que não é melhor nem pior que os outros. Mas ela tem os olhos fixos, está confusa, perturbada: o desenho mostra a invariável manjedoura, a vaca e o burrinho, e toda a res­tante figuração. Sobre esta cena já sem mistério cai a neve, e esta neve é preta. Porquê?
«Porque?», pergunta a Professora à Menina que fez o de­senho. A Menina não responde. Talvez mais nervosa do que quereria mostrar, a Professora insiste. Há na sala os ri­sos cruéis e os murmúrios de troca que sempre aparecem em ocasiões destas. A Menina está de pé, muito séria, um pouco trémula. E responde, por fim: «Pintei a neve preta porque foi nesse Natal que a minha mãe morreu». Fez-se silêncio e a Professora pensou, assim o veio a contar mais tarde: «À Lua já chegamos, mas quando e como consegui­remos chegar ao espírito de uma criança que pintou a neve preta porque a mãe lhe morreu?».
Muitos anos depois de estas histórias terem aconteci­do, contei-as a uma outra Menina, que me perguntou: «E eles ainda estão tristes?». Nessa altura disse-lhe que sim, que há tristezas que o tempo não consegue apagar, mas hoje conforta-me a ideia de que talvez o Menino do Muro Branco e a Menina da Neve Negra se tenham encontrado na vida, e que talvez por causa deles o mundo já esteja a mudar sem que nós tenhamos dado por isso".
(José Saramago - História de um muro branco de uma neve preta - Extractos)

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

"25 de Dezembro"


Tenho um amigo que, ao longo de muitos anos, me foi ajudando a acreditar e a fazer a experiência de que posso pegar no Menino Jesus ao colo e que é possível pegar nele todos os dias.
Obrigada a todos os que O colocam nas minhas mãos... Paz e Bem!

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Hoje é Natal

Dia 24 – VIRGEM MARIA

Convida Nossa Senhora a visitar a manjedoura do teu coração e pede-Lhe que coloque nele o Divino Menino. Encurta as tuas conversas e chamadas telefónicas e passa hoje tempo pensando em Jesus, Maria e José.



Desejo a todos os que lerem o meu blog (ou não...) um Natal Feliz!
Cada vez mais tenho a certeza de que Natal existe sim, na fragilidade, na simplicidade, num desejo profundo vindo do coração, de trazer um sinal de Deus à vida dos homes...
Procura dentro de ti e junto dos teus a alegria e a força para celebrar o Natal...

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Hoje são anos meu Pai


Dia 23 - SÃO JOSÉ

Aprende com o seu silêncio e paciência a suportar as recusas e os desapontamentos.
Abre o teu coração e pede-lhe para entrar, com a bem-aventurada Virgem Maria.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Dia 22 - ANJOS


Convida os anjos a adorar a Deus como tu desejarias
Obedece cuidadosamente às inspirações do teu Anjo da Guarda
e da tua consciência.


( Já é um pouco tarde hoje, mas não queria desistir agora de continuar o presépio)


Deixo também um pouco de "Natal" que me foi enviado há pouco...

Na nossa sociedade faz frio.
E o Natal é luz e calor!
A humanidade enregela sem o Espírito que é fogo.
Contra o frio do egoísmo, o calor humano.
Contra o frio da ganância, o calor da generosidade.
Contra o frio da indiferença, o fogo da solidariedade.
Contra o frio da solidão, o fogo da proximidade.
Contra o frio do desencanto, o fogo do ideal. 

(Vasco Pinto de Magalhães, em "Não há soluções. Há caminhos.")






sábado, 20 de dezembro de 2008

A Chave

Dia 21 - CHAVE
Coloca a chave na porta do estábulo para manter afastados os ladrões.
Não queiras nada na tua vida que te afaste do teu irmão, procura não julgar...
Se possivel utiliza a chave para abrir o teu coração.

Levantei-me cedo neste domingo cheio de sol e falo-vos um pouco do meu sonho que hoje se liga à Paz e à Esperança do Natal!
Ontem houve festa de Natal com a Catequese, foi comovidos e alegres que vimos e sentimos as crianças reunidas à volta da vinda do Salvador, do presépio...
De facto a vida não se mede pela quantidade de coisas ou de palavras mas pela qualidade da alegria que se espalha à nossa volta.
Sou uma mulher de "Esperança"! Acredito que o ser humano foi feito para viver na esperança do novo dia que surge, da vida que se renova e do sol que vem iluminar e aquecer a nossa vida.
Fica um pensamento que me enviaram e que para mim tem muito sentido.
"A noite abre as flores em silêncio e deixa que o dia receba os agradecimentos"

Também eu, tu...


Nascemos, nascemos, nascemos...
Enganam-se os que pensam que só nascemos uma vez.
Para quem quiser ver a vida está cheia de nascimentos.
Nascemos muitas vezes ao longo da infância
quando os olhos se abrem em espanto e alegria.
Nascemos nas viagens sem mapa que a juventude arrisca.
Nascemos na sementeira da vida adulta,
ente invernos e primaveras maturando
a misteriosa transformação que coloca na haste a flor
e dentro da flor o perfume do fruto.
Nascemos muitas vezes naquela idade
onde os trabalhos não cessam, mas reconciliam-se
com laços interiores e caminhos adiados.

Enganam-se os que pensam que só nascemos uma vez.
Nascemos quando nos descobrimos amados e capazes de amar.
Nascemos no entusiasmo do riso e na noite de algumas lágrimas.
Nascemos na prece e no dom.
Nascemos no perdão e no confronto.
Nascemos em silêncio ou iluminados por uma palavra.
Nascemos na tarefa e na partilha.
Nascemos nos gestos ou para lá dos gestos.
Nascemos dentro de nós e no coração de Deus.

O que Jesus nos diz é: "Também tu podes nascer",
pois nós nascemos, nascemos, nascemos.

José Tolentino Mendonça

Visita...


Dia 20 - PASTORES


Convida os pastores a prestar homenagem a Jesus.
Imita a sua vigilância;convence os teus amigos da importância do Natal, porque Jesus nascerá novamente no coração de cada um.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Fazer-se um "Presente"

Dia 18 - PRENDAS

Oferece alguns presentes para o Menino e para a sua Mãe.
Partilha os teus bens em casa, dá esmolas aos mais necessitados, ajuda a fazer Natal
.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

A nossa força em acção...

Dia 17 - O BURRO

Procura também, conduzir o burro até ao presépio.
Oferece ao Deus Menino a tua força física.
Usa-a sempre que possível para o serviço dos outros.
Especialmente os que estão mais perto de ti (é o mais dificil...)

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

O Pai...

O dia estava mais quente e cheio de Sol, foi bom ter algum tempo em que estive sozinha e pude pensar... sentido-me serena e livre!
Deixo por isso alguns extractos do "Regresso do filho pródigo" de Henri Nouwen.
Porquê? Porque sim...Porque também eu sou filha deste Pai.



«Quando ainda estava longe, o pai avistou-o e teve compaixão. Correu ao seu encontro, abraçou-o e cobriu-o de beijos».

“Parece que as mãos que tocam nas costas do filho recém-chegado, são os instrumentos do olhar interior do Pai. Este, quase cego, vê muito mais. O seu olhar é um olhar eterno, um olhar que abarca toda a humanidade. É um olhar que compreende o extravio das mulheres e dos homens de todos os tempos e lugares, que conhece, com imensa compaixão, o sofrimento daqueles que optaram por se ir embora de casa…O coração do Pai arde num desejo imenso de levar os filhos para casa.
Quanto desejaria falar com eles, adverti-los dos perigos, convencê-los de que, em casa, podem encontrar tudo o que andam a procurar noutros lugares! Quanto gostaria de os salvar com a sua autoridade paterna e de os ter por perto para nada lhes acontecer!”

Como Pai, quer que os filhos sejam livres para amar...Esta liberdade inclui a possibilidade de se irem embora de casa… Como Pai, a única autoridade que para Si reclama, é a autoridade da compaixão. Essa autoridade advém-Lhe de permitir que os pecados dos filhos lhe penetrem o coração… A dor é muito profunda, precisamente por o coração do Pai ser muito puro. É a partir desse lugar profundo onde o amor abraça toda a dor humana, que o Pai vai até aos filhos. O contacto das suas mãos, que irradiam luz interior, só procura curar."

"É neste Deus que quero acreditar: Um pai que, desde o princípio da criação, abre os braços numa bênção cheia de misericórdia, sem forçar ninguém, mas esperando sempre; sem deixar cair os braços, e esperando sempre que os filhos regressem para lhes poder falar com palavras de amor e para deixar que os braços cansados repousem nos seus ombros. O seu único desejo é ABENÇOAR."


Para quê?...


Dia 16 - O BOI

Leva o boi para o presépio.
Obedece prontamente e sem perguntar, "porquê"?



- Recordo as palavras escritas pelo P. Vasco Magalhães, sj. no livro "Não há soluções há Caminhos" que diz mais ou menos isto: Não perguntes «porquê... Pergunta antes para quê?»

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

O Sol chegou, mas o frio...


Dia 15 - O FOGO

Aquece o presépio do teu coração, sendo grato a Deus por ter assumido a natureza humana. Demonstra gratidão também aos teus pais, outros familiares e amigos.

Está frio lá fora...


A neve voltou a chegar cá abaixo! Esta foto foi tirada na varanda do meu quarto logo de manhã.

Agora que chega a noite, o vento sopra forte e me sinto tranquilamente só, recordo alguns momentos bons... Deixo que as recordações me levem longe, o sitio eu nem sonhava que podia existir... Entreguei tudo o que tinha, todo o meu tesouro! A partir daí nada voltou a ser igual na minha vida... Fiquei diferente de facto.
Mas hoje na missa fez-me bem ouvir de novo:
" O espírito do Senhor Deus está sobre mim, porque o Senhor me ungiu"...

domingo, 14 de dezembro de 2008

Alegremo-nos

Dia 14 - A LUZ

Organiza-te a ti próprio, naquilo que te
parece essencial, a tua vida e as tuas coisas.
Mantem o curral com luz suficiente.

Hoje podemos escutar a “voz” de João Baptista, que nos quer preparar para acolher, Jesus a “luz” do mundo.
E isso não acontece se me centrar sobre mim própria, se não abrir o meu coração à tolerância, ao acolhimento, ao conhecimento cada vez maior da proposta de Jesus, que me chama a participar da Sua Vida.

sábado, 13 de dezembro de 2008

Hoje sábado...



Dia 13 - AS PROVISÕES

Evite palavras que não sejam verdadeiras, porque não ajudam, nem dão paz... E sobretudo são inúteis!
Prive-se de algo que gosta, nas refeições.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Choveu e a Serra está nevada...



Dia 12 - A ÁGUA

Coloca água fresca e limpa no presépio;
que ele esteja sempre cuidado. Faz hoje um gesto de generosidademarcado por este apelo.


Coração que aquece...

Dia 11 - COMBUSTÍVEL

Todos precisamos...

Se conseguires encontrar, partilha com os outros! Mantém-te ligado...Basta uma palavra para aquecer o coração de alguém.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

O dia está frio!

Dia 10 - COBERTORES

Sê amável e gentil para com todos. Assim, estarás a pôr na manjedoura de Jesus cobertores macios e quentes.

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

A Caminho...

Continuo a manter esta ideia da construção do presépio dia a dia... Nem sempre consigo "arranjar as alfaias", mas vou-as procurando e tento ter calma. Hoje houve alguns stesses, que foram suavizados com uma conversa amiga.
Isto exige algum esforço, porque nem sempre me apetece procurar, muito menos pensar na proposta, escrever...
Por vezes questiono-me: Que tenho feito? Qual o Caminho percorrido?
O que vai animando é a sintonia orante que posso ir fazendo com alguns amigos.


Dia 9 - AS FRALDAS

Prepara-as para o Menino Jesus, de mãos postas em oração, com atenção e pausadamente.





segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Maria no Presépio


Contemplo Maria que assume a vinda de Deus à sua vida, e dou-me conta de que a Deus nada é impossivel!
Santo Inácio de Loyola : "Meditar no envio do Anjo Gabriel a Nossa Senhora e ver como a acção de Deus se manifesta na nossa vida."

Dia 8 - A PALHA
Reabastece-O de palha macia e pratica boas acções,
suporta as dificuldades que te surgirem sem te queixares.


domingo, 7 de dezembro de 2008

O Filho mais velho...

"Quanto mais sinto o filho mais velho dentro de mim, maior consciência tenho de quão profundamento arraigada está esta maneira de «se perder» e como é difícil voltar para casa a partir desta situação. Parece muito mais fácil regressar depois de uma aventura de luxúria do que regressar de uma ira fria, enraízada nos mais profundos recantos do meu ser. O ressentimento não é algo que se perceba com facilidade e não pode ser tratado racionalmente.
(Henri Nouwen - O regresso do Filho Pródigo)

O Presépio hoje...


Dia 7 - O FENO
Domina os sentimentos de orgulho, ira ou inveja. É o feno para os animais da manjedoura.

sábado, 6 de dezembro de 2008

Pudesse eu... E o presépio?

Pudesse Eu

Pudesse eu não ter laços nem limites
Ó vida de mil faces transbordantes
Para poder responder aos teus convites
Suspensos na surpresa dos instantes!
Sophia de Mello Breyner Andresen

É sábado! Sinto-me bem e com forças para as minhas tarefas habituais.
Continua esta chuva miudinha e esta neblina cinzenta, mas não me incomoda. O meu carro com as "suas rodas" ajudam a minha caminhada.
"Tenho laços e limites" mas sinto-me feliz! E se coloco este poema da Sofia, é porque gosto dele, porque é lindo e me ajuda a sonhar...


Hoje no Presépio:


DIA 5 - A MANJEDOURA
Abstem-te do conforto e de divertimentos excessivos. Arranja o melhor e mais quente espaço do teu coração, para o bem-estar de Jesus.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Continuamos o Presépio?

Não me lembro de adormecer, sei que fiquei à espera...
Acordo e sinto que estou melhor, o dia está cinzento e chuvoso e a vida começa a girar.
Tenho uma necessidade enorme de me manter em casa e descansar um pouco.

Durante a tarde coloquei a minha pequena coleção de presépios por toda a casa... dá-lhe um tom mais colorido e ao mesmo tempo sereno e simples.
Vamos continuar a construir o presépio começado ontem?



Dia 5 - A VEDAÇÃO

Vamos
construir uma vedação em volta da manjedoura do nosso coração, mantendo vigilância sobre os olhos, especialmente na oração.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Confio e sonho

De novo...

Hoje a vida reservou-me um dia difícil, havia uma colonoscopia para fazer: A preparação durante o dia e ao fim da tarde uma viagem a Castelo Branco com a minha amiga Zilda.

Pensei que não ía aguentar... (esqueci de repente que a gente aguenta sempre), porque as dores eram muito fortes, perdi um pouco a noção... sabia que a médica e a enfermeira estavam comigo, carinhosas ajudaram-me o máximo, diziam para abrir os olhos, procuravam a melhor forma...
Este exame não custaria tanto se o meu intestino não estivesse fragilizado pelas cirurgias, habitualmente não é assim doloroso.

Regresso a casa, não digo muitas coisas aos meus pais, estou doente sobretudo por dentro, com a sensação de que não sou capaz de sonhar...
Queria conseguir rezar.

Construindo o Presépio

Olhemos o cenário dos acontecimentos do mundo e o acontecimento tão desapercebido do nascimento do Salvador...Para o podermos fazer verdadeiramente, precisamos de ter o coração aberto para sentir e ver a grandeza das pequenas coisas.
Por isso no meio do burburinho, das luzes é importante colocar Jesus em primeiro lugar e encontrar forma de dar atenção a detalhes, que tornam a celebração do Natal mais significativa para toda a família. O empenho na construção de um "Presépio Espiritual", poderá ser uma oportunidade para criarmos espaço para Deus.


Muitas vezes o drama de viver o Natal é mesmo a falta de espaço. Quando não há espaço para o homem também não o há para Deus. O desafio é portanto dar espaço: Acolher Deus e o Homem.

(Mandaram-me por email esta proposta, por isso aqui a coloco, desejando também eu poder fazer diáriamente este caminho e este percurso até ao presépio)
Dia 1 - ESTÁBULO - Ofereça o seu coração a Jesus. Peça-Lhe para fazer dele a sua Casa.
Dia 2 - TELHADO - Evite acções contra o próximo. Assim, a cobertura do estábulo estará em boas condições, para que o Menino Jesus fique protegido.
Dia 3 - FENDAS – Esteja atento aos sentidos e proteja-os contra as tentações. Feche as fendas nas paredes do estábulo, para que o vento e o frio não entrem.
Dia 4 - TEIAS DE ARANHA - Modere o desejo excessivo de ser elogiado. É uma forma de limpar as teias de aranha do seu presépio espiritual.Dia 5 - VEDAÇÃO - Construa uma vedação em volta da manjedoura do seu coração, mantendo vigilância sobre os olhos, especialmente na oração.
Dia 6 - MANJEDOURA – Abstenha-se do conforto e de divertimentos excessivos. Arranje o melhor e mais quente espaço do seu coração, para o bem-estar de Jesus.
Dia 7 - FENO - Domine sentimentos de orgulho, ira ou inveja. É o feno para os animais da manjedoura.
Dia 8 - PALHA – Reabasteça-a de palha macia praticando atos de mortificação, suportando o frio ou o calor sem se queixar.
Dia 9 - FRALDAS - Prepare-as para o Divino Menino, de mãos postas em oração, com atenção e pausadamente.
Dia 10 - COBERTORES - Seja amável e gentil para com todos. Assim, estará colocando em sua manjedoura cobertores macios e quentes.
Dia 11 - COMBUSTÍVEL - Obedeça aos seus pais, professores e autoridades; aquecerá o seu coração.
Dia 12 - ÁGUA - Coloque água fresca e limpa no presépio; esteja sempre ligado.
Dia 13 - PROVISÕES - Evite palavras que não sejam verdadeiras e atos traiçoeiros. Prive-se de algo que gosta, nas refeições.
Dia 14 - LUZ – Limpe e organize-se em sua pessoa e em seus pertences. Mantenha o curral com luz sufuciente.
Dia 15 - FOGO - Aqueça o presépio do seu coração, sendo grato a Deus por ter assumido a natureza humana. Demonstre gratidão também a seus pais, parentes e amigos.
Dia 16 - BOI - Leve o boi para o presépio. Obedeça prontamente e sem perguntar "por quê"?
Dia 17 - BURRO - Conduza o burro também. Ofereça ao Divino Menino a sua força física. Use-a a serviço dos outros.
Dia 18 - PRENDAS - Ofereça alguns presentes para o Divino Menino e sua Mãe. Partilhe seus bens em casa, dê esmolas aos pobres.
Dia 19 - CORDEIROS - Procure deixar na manjedoura alguns cordeirinhos; seja manso e humilde de coração.
Dia 20 - PASTORES - Convide os pastores a prestar homenagem a Jesus. Imite a sua vigilância; convença seus amigos da importância do Natal, porque Jesus nascerá novamente no coração de cada um.
Dia 21 - CHAVE – Coloque chave na porta do estábulo para manter afastados os ladrões. Tire do seu coração todo o mau pensamento, todo o juízo temerário.
Dia 22 - ANJOS - Convide os anjos a adorar a Deus com você. Obedeça cuidadosamente às inspirações do seu Anjo da Guarda e da sua consciência.
Dia 23 - SÃO JOSÉ - Aprenda com o seu silêncio e paciência a suportar recusas e desapontamentos Abra o seu coração e peça-lhe para entrar, com a bem-aventurada Virgem Maria.
Dia 24 – VIRGEM MARIA - Convide Nossa Senhora a visitar a manjedoura do seu coração e peça-Lhe que coloque nele o Divino Menino. Encurte as suas conversas e chamadas telefônicas e passe hoje tempo pensando em Jesus, Maria e José.

domingo, 30 de novembro de 2008

Aprender a solidariedade



Lembro-me de a minha mãe nos recordar muitas vezes o velho ditado: «O trabalho do menino é pouco, mas quem o perde é louco".
Vimos hoje, mais que confirmadas, estas sábias palavras. Vê-los chegar acompanhados dos pais ou educadores, arregaçar mangas e começar a separar as massas...Foi gratificante!

É preciso empacotar! As nossas mãozinhas também conseguem...

Bem, tenho mesmo de sair, está a chegar a hora do meu turno, e hoje se conseguir vai ser até ao fim!
Deixo um poema que me foi enviado, gosto da mensagem que transmite e tem sentido para este dia. (Não sei o autor)


Alegria de Servir

"Toda natureza é um serviço:
Serve a nuvem;
serve o vento;
serve a chuva.
Onde haja uma árvore para plantar:
plante-a você.
Onde haja um erro para corrigir:
corrija-o você.
Onde haja um trabalho e todos se esquivam:
aceite-o você.
É muito belo fazer aquilo que os outros recusam.
Mas não caia no erro de que somente há méritos nos grandes trabalhos.
Há pequenos serviços que são bons serviços:
Adornar uma mesa,
arrumar seus livros,
pentear uma criança.
Uns criticam,
outros destroem.
Seja você o que serve.
Servir não é faina de seres inferiores.
Seja você o que removea pedra do caminho,
O ódio entre corações e as dificuldades do problema.
Há alegria de ser puro
E de ser justo.
Mas há, sobretudo,a maravilhosa, a imensa alegria de servir."

sábado, 29 de novembro de 2008

No Banco Alimentar

Só hoje me dei conta que as luzes de Natal, se acenderam um pouco por toda a cidade... reparei há pouco ao regressar a casa que a iluminação está bonita, a chamar a nossa atenção para a luz, para beleza das cores e da alegria.O meu dia começou cedo, quando me levantei senti um frio especial ao mesmo tempo que uma claridade luminosa e suave entrava pela janela do meu quarto, fui espreitar... era a neve que caía docemente, suavemente, sem magoar ou deixar rasto. Tirei à pressa umas fotos à encosta da serra.

Tinha o tempo marcado para o Armazém do Banco Alimentar Contra a Fome. É um serviço que vou prestando desde há alguns anos. Sinto que me ajuda e me serve e de incentivo para todos os outros meses de voluntariado que me e nos esperam. Há trabalho para todos e para todas as idades. Eu faço, durante o meu turno, o registo informático de todas as entradas, após as pesagens.

Acaba de se esvaziar uma carrinha, vem outra, está ainda mais outra à espera... Há uma azáfama saudável, há risos de alegria entre os mais novos, há concentração e preocupação para os responsáveis.
Todos os anos por esta altura natalícia há este apelo à generosidade das pessoas, através de uma nova campanha de recolha de alimentos nos hipermercados.

"Alimentemos esta ideia" Sejamos generosos para o bem de muitos!

Volto amanhã com mais notícias...

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Gosta de alguém...

«Gosta de alguém que te ame, alguém que te espere, alguém que te compreenda nos momentos de desespero. De alguém que te ajude,que te guie, que seja o teu apoio, a tua esperança, teu tudo. Gosta de alguém que te espere até ao final, de alguém que sofra contigo, que ria junto a ti, que limpe as tuas lágrimas; Que te abrigue quando necessário, que fique feliz com as tuas alegrias e que te dê forças depois de um fracasso. Gosta de alguém que te ame. Não gostes apenas do amor. Não gostes só do amor, mas NÃO DESISTAS NUNCA DE AMAR!»

Mandaram-me este poema de que gosto muito. Partilho-o hoje com sentimentos de paz mas ao mesmo tempo inquietude... De alegria e de fé.
Vem à minha mente a conversa de Jesus com Pedro: «Simão, filho de João, tu amas-me mais do que estes?» Pedro respondeu: «Sim, Senhor, Tu sabes que eu sou deveras teu amigo.» Jesus disse-lhe: «Apascenta os meus cordeiros.» Voltou a perguntar-lhe uma segunda vez: «Simão, filho de João, tu amas-me?» Ele respondeu: «Sim, Senhor, Tu sabes que eu sou deveras teu amigo.» Jesus disse-lhe: «Apascenta as minhas ovelhas.» E perguntou-lhe, pela terceira vez: «Simão, filho de João, tu és deveras meu amigo?» Pedro ficou triste por Jesus lhe ter perguntado, à terceira vez: 'Tu és deveras meu amigo?' Mas respondeu-lhe: «Senhor, Tu sabes tudo; Tu bem sabes que eu sou deveras teu amigo!»

sábado, 22 de novembro de 2008

Belos momentos

Deixo aqui umas fotografias - nem todas são da minha autoria - Tenho pouca prática ainda, espero melhorar.

É uma forma de transmitir e de recordar momentos belos que tenho vivido apreciando tanto bem recebido de Deus e dos amigos.

Loyola e Soutelo







quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Deixa Deus entrar

"Deus realizaria milagres se Lhe permitíssemos entrar - ainda que fosse um pouco - na nossa vida"
Mandaram-me esta frase, que me ajuda e em que acredito.
Abrir as asas e a porta do coração, deixá-Lo entrar, desarmar-me completamente e esperar que aconteça o milagre... Será que estou a sonhar? Eis-me aqui Senhor!

Recordei também um cântico que por vezes cantam na Eucaristia, aqui fica o refão que é um poema bonito:

Deixa Deus entrar na tua própria casa,
Deixa-te tocar pela Sua Graça,
Mesmo em segredo, reza-Lhe sem medo,
Senhor, Senhor, que queres que eu faça?

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Partiu para o Pai

"Lutou desde Julho de 2007, com uma enorme vontade de viver, uma Fé verdadeira e transbordante, e uma aceitação da doença que foi testemunho para todos nós.

Ele foi mesmo um lutador contra as adversidades que se foram sucedendo e ao sofrimento."

(De um e-mail enviado pelo meu amigo Joel)

Com estas palavras bonitas e cheias de Fé, recebi na segunda-feira a notícia da morte do nosso amigo Mário Pereira.
Ainda sinto um aperto no coração quando penso nele, era acima de tudo um homem bom...Obrigada pela Tua vida Mário!
Dedico-te este poema/oração...

No silêncio...


No silêncio dos gestos simples,
Na ousadia das palavras proféticas,
Uma voz clama…
E que diz ela?
Diz que a Fé é entregar-se,
Que o Amor é dar-se,
Que é Sábio aquele que serve,
Que o silêncio é Deus em nós,
Que a Cruz é salvação:
Loucura para os que se perdem,
Mas para nós força de Deus (cf. 1 Cor. 1, 18)

sábado, 8 de novembro de 2008

A luta pela vida!


Estas fotos traduzem momentos de algum custo e aprendizagem, de lutas e de vitórias, de paz e felicidade. Por isso as partilho...

As minhas idas ao hospital de Gaia são cada vez menos frequentes... As consultas de rotina vão espaçando e agora, normalmente, vou cada seis meses.

Ontem foi o dia de ir fazer análises para a consulta do dia 27. Como sempre o João, meu irmão e companheiro de jornada, me espera e me leva ao serviço, me apoia e me dá a mão. Encontro novas pessoas, novos casos, novas caras de sofrimento.

Lembro-me que entrei ali pela primeira vez há 12 anos para uma consulta, por supeita de cancro mamário e passados poucos dias estava internada para fazer mastectomia.

Diagnóstico confirmado... Um mês de Radioterapia no IPO do Porto... Consultas mensais e trimestrais, marcadores tumorais sempre a subir inexplicavelmente, deixando-nos baralhados, porque tudo parecia estar bem!

Mais tarde e depois de muito estudo, muitos exames, porque "ele" se mantinha enigmaticamente escondido, surge o novo diagnóstico: cancro bilateral dos ovários.

Vivi dois ou três dias de "sonho"... Comunicar no trabalho e aos amigos, animar família, em especial os meus pais...

As primeiras lágrimas verdadeiramente choradas aconteceram na reunião da CVX, onde pude falar abertamente com o grupo e senti a preocupação de todos, sobretudo da Celina e do Victor que são médicos. Afinal aquilo era mesmo grave... Recordo-me que não fizemos a reunião habitual mas ficámos juntos durante bastante tempo, fizemos silêncios, rezámos...

Ao entrar de novo no Hospital com nova cirurgia marcada, lembro-me que ia cheia de confiança e de força, disposta a fazer o que fosse preciso para vencer mais isto que me estava a acontecer de novo.

Este pós-operatório foi mais custoso, tinha dificuldade em me alimentar e vomitava constantemente. Nesses primeiros dias, sentia que o meu coração estava inquieto, as forças começavam a faltar-me. Os meus pais deslocaram-se para Gaia, e em casa do meu irmão João (enfermeiro) revezavam-se para me fazer companhia durante o dia. A noite ficava por minha conta, dos enfermeiros e empregados, que sempre procuraram dar-me força e confiança. O meu médico era um Homem bom e queria ajudar-me a vencer.

Depois de nove ou dez dias de internamento, volto à Covilhã, à minha casa, aos meus amigos, à "minha" Igreja.

Quase não desfaço a mala porque é necessário regressar e preparar-me para fazer seis ciclos de quimioterapia. Fico assustada, tenho medo, será que vou morrer já?

A minha força parecia que se estava a acabar... a minha fé diminuía... ou não?

Comecei: "Taxol mais Carboplatina", ouvi a minha médica, Dª. Ana Paula, dar indicações. Estava a tremer, mas de novo confiante e com um sorriso, sobretudo no olhar, (disseram-me)...

Logo no primeiro tratamento, passados os 15 dias previstos, o cabelo começou a cair em grandes mechas. Era um dia 15 de Agosto - Assunção de Nossa Senhora - e eu estava a jantar com uns amigos... precisei de lhes dizer, de os sentir comigo, do seu abraço, da sua força.

No dia seguinte fui cortar o cabelo que restava... Adquiri novo visual e continuei em frente! Sentia-me diferente, mas era eu.

Sempre que voltava para mais um tratamentos, lá estavam as enfermeiras à minha espera, gostavam da minha força e do meu sorriso, mesmo quando já não havia veias para picar e uma ou outra lágrima surgia por causa das dores.

E é nestes momentos que nos parece - me parece - que mesmo rodeada de muita gente me sentia muito só. Havia em mim uma dor e um sofrimento que era inacessível aos outros. Um medo que eu não conseguia partilhar. Os tratamentos de quimiote­rapia eram de facto muito agressivos, debilitavam-me bastante. Tinha muitas dores nos ossos. Mas eu queria vencer aquilo. Fechava os olhos e pensava n'Aquele que me cria e recria para ser feliz.

Observava com atenção o que se passava à minha volta, olhava a doente do lado, falava-lhe com esperança e continuava a minha luta pela vida, vivendo um dia de cada vez.

Agora já tudo passou, aqui estou eu a contar a minha história. Foi mais uma etapa... A família, a minha CVX, a paróquia, os colegas de trabalho e muitos amigos apoiaram-me e ajudaram-me a encontrar forças para seguir em frente, mesmo quando o desânimo e a dor me invadiam.

Hoje, sempre que tenho oportunidade, sou eu que procuro dar ânimo a outros, com a minha experiência e a força de quem já passou pela mesma situação. É que o cancro não significa só morte (mesmo que seja o segundo). É possível sobreviver, é possível... Acreditem!

Sei que foi a certeza da presença amorosa de Deus na minha vida que me ajudou a al­cançar pequenas vitórias e me fez ver cada vez mais que o dom da vida é precioso, único e que "não devemos permitir que alguém saia da nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz", como diz Madre Teresa de Calcutá.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Confiança

Por vezes leio uma frase ou um poema e fico a pensar... Fico a sonhar... E como gosto aqui fica.

Confiança

O que é bonito neste mundo, e anima,
É ver que na vindima
De cada sonho
Fica a cepa a sonhar outra aventura...
E que a doçura que se não prova
Se transfigura
Numa doçura
Muito mais pura
E muito mais nova...
(Miguel Torga)

domingo, 2 de novembro de 2008

Anos de Mãe

Hoje foi dia de festa cá em casa, a minha mãe. Fez 81 anos. Estava bonita e bem disposta.
Juntámo-nos para o almoço, os que estamos aqui mais perto. Não podemos fazer muita confusão, porque a nossa mãe tem Alzheimer. Está a ser tratada há 16 anos, mantendo uma qualidade de vida bastante boa. Vive bem o momento presente e depois tudo passa, como se algo apagasse o seu cérebro. A nossa família é grande cinco irmãos, onze netos e três bisnetos... quando nos juntamos todos, somos vinte e cinco.

Foi um momento de festa à vida e esta é a fotografia melhor que consegui. Está com o nosso pai, a Lucinda (nora) e a neta Inês.

Parabéns Mãe porque nos deu tanto e continua a dar com a sua presença junto de nós.
Aqui fica uma flor simples, que diz bem com a nossa vida.

sábado, 1 de novembro de 2008

Bem-Aventurados

Convidas-Me a ser Feliz!


E sou... porque me deixo embalar neste sonho de felicidade que quer, que deseja ter a "marca do Amor de Deus".

Preciso de escrever, mas digo que já não vale a pena... ou talvez... gostava de escrever mas não sei... e por isso, só digo amo-Te.
Mas amo-Te como só Tu sabes... Com este jeito de ser, tantas vezes incoerente pela preguiça, pelo cansaço, pela desilusão... Outras, com um olhar pacifico, sorridente e feliz que só Tu conheces bem, poque só Tu me amas antes de eu Te amar... Porque és Tu que vens ter comigo e me fazes abrir à vida!
Pela sinceridade das tuas palavras e pelo teu abraço forte, mesmo quando o meu coração está ferido e se afasta, OBRIGADA!