sexta-feira, 29 de abril de 2011

Flor de Aleluia!


Gosto desta flor de Aleluia, e já a fui oferecendo por email a alguns amigos.
Olho-a e sinto-a cheia de uma beleza singela e pura, parecendo-me que nunca irá esmorecer... É assim que vejo a Páscoa: Renova a nossa vida com Deus, renova as nossas relações, e hoje especialmente renova em mim uma certeza muito bonita: É que se pode ficar partindo e pode-se partir ficando para sempre!

Alice

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Porque a Páscoa é independen​te do lado do equador em que se está!

Porque é lindo e cheio de Aleluias, deixo um testemunho Pascal de um amigo que está em Moçambique.

Não sei porquê, mas os Glórias marcam as minhas ressurreições nestas terras moçambicanas. No meio de tanta morte evidente, por entre escárnios, gozações, ofensas de todo o tipo, abusos, acusações falsas e agressões, de repente, sem a preocupação de pré-avisos, surgem Glórias que são sinais incontestáveis da ressurreição de nosso Senhor Jesus. E levam-nos atrás dela. Não conseguimos deixar de ressuscitar com Ele.

Ontem, na Vigília Pascal, cerimónia cuidada e muito bonita, não foi excepção. Quase como se não soubesse o que se iria passar, entraram no coro duas ou três vozes pouco convincentes, cada uma no seu tom, e até cada uma a seu tempo. Aquele sinal de desunião tinha, no entanto, algo demasiado grande para ser ignorado: era a entoação do Glória.

E está no sangue, na carne, no espírito, nas entranhas de qualquer ser, reconhecê-lo porque é verdadeiro. É a exteriorização da prova maior de amor de Deus por nós: a encarnação, a morte e a ressurreição de Jesus, condensada num instante de reconhecimento comum.

Depressa toda a gente agarrou esta verdade e aderiu a ela com tudo o que tinha: as vozes estridentes, os corpos dançarinos, os sorrisos nas faces, os arrepios nos braços... as lágrimas nos olhos.

Porque, afinal, esta foi A noite.
Aquela em que o Senhor ressuscitou e com Ele nos ressuscitou a nós e a tudo o que vivemos.
Esta foi a noite de um tempo que se torna presentemente eterno.
E assim esta é a noite da vida que acaba sempre por vencer.

Saudades,
e votos de uma Páscoa de verdadeira ressurreição com o Senhor.
Francisco Campos, sj

domingo, 24 de abril de 2011

Ele vive!

Está vivo… Que seja essa a nossa alegria!
E a bênção maior que podemos ter é a certeza de que o Senhor Ressuscitado permanecerá connosco para sempre e poderemos dizer: "Meu Senhor e Meu Deus" .

Pintura de Sieger Koder

sexta-feira, 22 de abril de 2011

O outro e a Cruz

Jesus percisa de ganhar força para levar a Sua Cruz. Simão de Cirene é requisitado para o ajudar e vai, quase sem compreender, mas vai...

É também necessário e urgente que sejamos solidários, com todos aqueles que carregam pesadas cruzes... Permanecer em silêncio, face a face, ombro a ombro, coração a coração!

Pintura de Sieger Koder

quinta-feira, 21 de abril de 2011

O Lava-pés e nós

“Não há maior amor que dar a vida por aquele que se ama”
(Jo 15, 13).

Jesus lava os pés aos Discípulos, num gesto de Amor Humano e Divino que se repete nos nossos pequenos sinais de amor.
Jesus ajoelha-se aos meus pés e olha-me a partir de baixo para me encher de força e me afirmar mais uma vez, tudo o que é exterior se estilhaça e cai. Só fica o verdadeiro AMOR!

Hoje procurarei fazer silêncio para poder compreender melhor com o coração, este amor tão intenso, esta paixão que me dá a vida para sempre.

Aqui em casa o "nosso Cristo" precisa de todo o cuidado e muito carinho e paciência! O olhando a minha mãe na sua dependência total, posso dizer: "Meu Senhor e Meu Deus".

Pinturas de Sieger Koder

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Quem se reconhecerá?

"Quem reconhecerá no servo desprezado o mais belo dos homens? Quem ficará aqui, assim, em tamanha confusão, em tão grande silêncio? Ficarão os pobres e os apaixonados que se deixarem enriquecer por tão grande amor. E ficará o discípulo que aceitar nascer de novo. Reconhecido, ficará pronto a ir até aonde for o seu Mestre."

Desejo a todos uma Semana Santa pacífica e pacificadora, com tempo para amar e ser amado... Que ao olharmos para a Cruz de Jesus possamos crer que ela nos fala de um amor apaixonado que dá a vida por cada um de nós.

Regressei do Hospital quase recuperada, voltarei em  Maio para controle. Os dias que se seguiram aqui em casa, foram de intenso trabalho e foi com o coração presente mas fisicamente distante, que ajudei a preparar uma celebração que pudesse ajudar os nossos meninos a lançar-se, cada qual a seu modo, neste mistério do Amor de Jesus, que nos conduzirá à Páscoa.

Nesta sala onde me encontro vivemos todos um "tempo de prova " com a doença da minha mãe que dia a dia se consome, para se apagar a seu tempo.

E isto é permanecer... Isto é paixão!


pintura de Sieger Koder

domingo, 17 de abril de 2011

Ausência

Fala

Ouvir-te-ei
Ainda que os segredos
As amoras me chamem

Diz-me

Que existirão lágrimas para chorar
Na velhice
Na solidão

Ainda que acordes os olhos dos deuses

Fala

Ouvir-te-ei
A coragem
Alguém de nós que já não está


Daniel Faria, in "Oxálida"

domingo, 10 de abril de 2011

Lázaro vem...

“Lázaro, sai para fora”. São as palavras gritantes de Jesus, diante do túmulo do seu amigo Lázaro. Jesus chama-o à vida: “sai para fora”. O sepulcro ainda não!... Vem de novo à luz do dia.

É este mesmo o Jesus não se ausenta da minha vida e me dá o ânimo e a esperança de que preciso em cada dia.

Deixo uma flor e uma oração. É de alguém que amo sem nunca ter conhecido senão pelos livros, mas que me ajuda a entrar em diálogo com Deus.



A doença e a morte não têm a última palavra.São superadas pelo autor da Vida, que é capaz de despertar e curar. A vida que Jesus comunica vence a morte. A morte é um sonho. O nosso destino é a Vida. “ A morte para um cristão é o último amén da sua vida e o primeiro aleluia da sua vida nova“

(Pedro Arrupe)

sábado, 9 de abril de 2011

Escuto a vida


Embora o meu olhar não possa abranger, é um pouco este, o ambiente da paisagem que se desenha fora do edifício deste hospital do Fundão onde me encontro, hoje pelo terceiro dia. Uma gastroenterite, ou algo semelhante, que surpreendeu a minha quarta feira com alguns projectos e me fez ir parar ao hospital da Covilhã, desidratada e com baixas defesas. A transferência para esta nova unidade que pertence ao Centro Hospitalar da Cova da Beira, é especialmente para ficar mais resguardada de outras infecções. Para estes casos existem aqui algumas alternativas como a de permanecer num quarto sozinha. E aqui estou eu... hoje, bastante melhor e com possibilidades de ter o computador comigo para comunicar. Sei que há sofrimento à minha volta, mas não vejo… só sinto, só oiço os murmúrios... Tal como sei que há amor que não se vê, só pode escutar-se e sentir-se em pequenos gestos ou sinais, mas é um amor que se fortalece na vida que oferece!

domingo, 3 de abril de 2011

«Eu creio, Senhor» (Jo 9, 38)

Jesus encontra um cego de nascença e quer fazer dele uma nova criatura... "Vai lavar-te à piscina de Siloé" ... e cura-o.

Jesus a Luz do mundo, quer ser a Luz na vida para mim e para cada um de nós. Aquele que é verdadeiramente cego tudo o aproxima mais da Luz porque quer ver de verdade.
E de facto maior que a cegueira fisica é a cegueira da alma... Aquela que fecha o coração ao amor! Mas eu CREIO que há em cada um de nós um desejo de verdade e de olhar a vida com olhar de fé! E o desejo mais íntimo de Deus é que, para cada homem e para cada mulher a vida brilhe e brilhe muito.

Alice

sábado, 2 de abril de 2011

A Quaresma

Quaresma é o tempo que vem e vai,
Tempo para ser vivido em caminho,
sem se instalar, sem o reter, sem lamento,
com a esperança sempre à flor de pele
e o olhar fixo noutro tempo,
a Páscoa, que é definitiva.
Florentino Ulibarri