sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

O presépio somos nós


Aqui em casa continuamos a viver este tempo de “presépio”, sem qualquer espécie de pressa.
A minha mãe recupera aos poucos de uma queda que a fez ficar de cama, mas este acontecimento uniu mais a nossa família, todos têm estado muito presentes.
Eu sei, que cada dia, me trará coisas novas e que Deus me tem oferecido, ao longo da vida muitas alegrias. Tenho experimentado muito amor, deste nosso Deus que une e congrega todos os seus filhos.
Tenho gostado muito de algumas outras “passagens de ano” com bons amigos, em casa do Hugo Brancal e com a presença do P. Vasco Magalhães. A celebração da Eucaristia tem sido sempre um momento forte… algo inexplicável… Que me faz iniciar um novo ano no coração do mundo, porque no coração de Deus.
Hoje será diferente, preparo-me para estar com os meus pais, irmãs e cunhados e faço-o também com alegria porque este ano ainda temos os nossos pais connosco. É uma decisão que tomei com liberdade e que me está a trazer muita paz.
Aqui fica um poema do P. Tolentino Mendonça e os votos de um Novo Ano com muita Paz e alegria...
Todo o ano será cheio de PAZ, se deixarmos que Deus habite no silêncio do nosso coração.

O Presépio somos nós
É dentro de nós que Jesus nasce
Dentro destes gestos que em igual medida
a esperança e a sombra revestem
Dentro das nossas palavras e do seu tráfego sonâmbulo
Dentro do riso e da hesitação
Dentro do dom e da demora
Dentro do redemoinho e da prece
Dentro daquilo que não soubemos ou ainda não tentamos

O Presépio somos nós
É dentro de nós que Jesus nasce
Dentro de cada idade e estação
Dentro de cada encontro e de cada perda
Dentro do que cresce e do que se derruba
Dentro da pedra e do voo
Dentro do que em nós atravessa a água ou atravessa o fogo
Dentro da viagem e do caminho que sem saída parece

O Presépio somos nós
É dentro de nós que Jesus nasce
Dentro da alegria e da nudez do tempo
Dentro do calor da casa e do relento imprevisto
Dentro do declive e da planura
Dentro da lâmpada e do grito
Dentro da sede e da fonte
Dentro do agora e dentro do eterno

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Preparar-se


e... falta-nos arriscar!

Preparar-se é arriscar em Deus
Com tudo o que significa de surpresa,
De novidade, de mudança de vida,
O Deus revelado por Jesus Cristo.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Preparar-se


Preparar-se é ter o coração desperto
À espreita de tudo o que nos pode converter!
Em profundidade, para além das emoções
E dos frémitos, esses precisamente
Que se vivem ou se dizem superficialmente
Sem nada em nós mudar em profundidade...


Hoje preparámos em ambiente de Natal a festa de anos do papi - obrigada pai porque existe e nasceu numa época tão cheia de ternura.

Preparar-se

Aqui estou!

Preparar-se é fazer silêncio em nós
Para aprender a discernir,
Isto é, a deixar o inútil, o supérfluo:
E a dar um lugar maior
Ao que é verdadeiramente essencial.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Preparar-se

Mais .um passo?..

Preparar-se é também deixar-se interpelar
Pelos apelos que vêm dos outros
Convidando-nos a mudar de mentalidade
E a repensar o nosso jeito de viver.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Preparar-se

Um pequeno passo...

Preparar-se é acolher em nós
Tudo o que pode suceder na nossa vida,
E aceitá-lo não como uma fatalidade,
Mas tentando descobrir-lhe o sentido.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Caminhar para Belém


«Todos iam recensear-se, cada qual à sua própria cidade. Também José, deixando a cidade de Nazaré, na Galileia, subiu até à Judeia, à cidade de David, chamada Belém, por ser da casa e linhagem de David, a fim de se recensear com Maria, sua esposa, que se encontrava grávida.
Lc. 2, 3-5

Experimentaremos uma grande alegria se vivermos o Natal de Jesus, ocupados com o Jesus do Natal!
Vamos Caminhar juntos até Belém, durante esta semana?

(Foto da net)

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Há vida em mim

... Sofri e amei, não por igual,
que a dor já passou
mas o encanto persiste.
Bem feitas as contas,
não me posso queixar.
Há vida em mim.

Este livro, tem sido uma fonte de que vou bebendo um pouco de cada vez... Devagarinho, como quem deseja que a viagem não acabe tão depressa.
Reconheço cada vez mais, que de facto e apesar de
alguns contatempos que vão surgindo, aprendo
a viver vivendo, aprendo a amar amando e aprendo
a servir servindo. E assim de facto, vida em mim...

"Vida em mim" Nuno Lobo Antunes
Foto do meu sobrinho João António, que sempre se esquiva às câmaras

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Dia dedicado a Maria

No presépio de Belém, com Maria e José, reconheceram-no os pastores humildes e os magos que verdadeiramente O procuravam. No “presépio” de cada dia, reconhecem-no os que O descobrem nos que mais precisam de companhia e ajuda. Disse-o Ele: “ Vinde, porque tive fome e destes-me de comer, tive sede e destes-me de beber, era peregrino e recolhestes-me, estava nu e destes-me que vestir, adoeci e visitastes-me, estive na prisão e fostes ter comigo.

(Tirei este extrato do ABC da catequese, mas é bonito e por isso o coloco aqui)

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

A espera


Este é um tempo de espera... E eu espero!... Tal como espero em tudo o que acredito!

Penso isto em relação a muitas coisas e hoje espero e acredito que virá um pouco de sol...
Estes dias tiveram alguns desafios que foram sendo ultrapassados, o papi (paizinho) adoeceu de novo, dois dias no hospital e a casa ficou mais vazia.
A espera, depois o regresso... Está bem agora, nova medicação para as vertigens que têm surgido com muita frequência.
Senti a necessidade de ser um pouco "mãe da minha mãe", não desejando mais do que uma mãe deseja para para os seus filhos, procurando acalentá-la, sossegá-la, dar-lhe a mão para adormecer.

Deixo um poema, não sei quem escreveu mas gosto porque é simples e natural.



É isto o Natal

A esperança não é
fechar os olhos à realidade;
é olhá-la de frente
para a transformar.

É dizer não à dor,
ao medo e à morte,
ao ódio e à mentira,
à mediocridade.

É inventar gestos e palavras
que ajudem a descobrir os caminhos de encontro
e de busca,
do combate sem armas
pela paz e a harmonia.

É multiplicar perguntas
que obriguem a pensar;
é semear beleza
e alegria
para que todos sintam
o gosto de viver;
é, pela vida fora,
semear o amor.

É isto o Natal!


(Foto tirada pela amiga Zilda)

domingo, 28 de novembro de 2010

A Caminho do Natal

Senhor da Luz que nos convidas à verdade e ao Amor
Tu disseste “Faça-se a luz”.
E a luz aconteceu, para bem da humanidade!
Faz de mim um pequenino ponto de luz…
Faz com que eu desperte
Em todos aqueles que se cruzam comigo
Um desejo de Te conhecer cada vez mais
Que eu possa ser uma pequenina luz

A apontar para a verdadeira LUZ!
Alice

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Silêncio em Outono

Passei por ali, tudo estava em silêncio...
Em tempo de Outono... um passeio solitário mas sempre desejado... O fascínio que sinto pela natureza, independentemente da fase da vida em que se encontre faz-me parar, fecho os olhos para que, a contemplação posso vir de dentro para fora...
Olho em redor e tudo parece ter sido renovado por este silêncio fecundo e consolador... sinto o coração acalentado por tudo o me que rodeia, pelos tons amarelo e vermelho das árvores em meu redor. Até o ouriço que estava caído por perto, abriu o seu interior para trazer à luz ténue deste fim de tarde umas castanhas que não quer mais guardar para si, mas as entrega num gesto de oferta... E eu recebo, recebo tudo e tudo guardo na minha memória.
Alice




















domingo, 21 de novembro de 2010

Hoje dia de Cristo Rei


Dia de Cristo Rei, celebrado na Comunidade e a certeza de que o que me salva é o AMOR, o que me salva não é que as coisas custem, o que me salva é dar a vida da forma que eu vou conseguindo, da forma como sou capaz.
Ainda que pareça um pouco ridículo falar-vos disto eu sei que Ele inventa e reinventa novas formas de me fazer acreditar que quer estar comigo para que eu faça o Seu Caminho, para me dar oportunidade ser "Rainha" !

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Hoje, segunda feira

Tudo será renovado pelo amor... E então não haverá mais dor, doenças, tristeza, ou qualquer falta de esperança.

Esta é a tónica da liturgia de ontem, Domingo. E é isso que somos chamados a ser e a viver: “dar razão da nossa esperança”. Sabemos que a partir do seguimento de Jesus, é possível melhorar o mundo; é possível esperar contra toda a esperança.

E logo hoje a vida estava a tentar abater-me... as forças faltavam-me, mesmo as forças físicas...
Em dias assim parece que Deus ausenta-se um pouco da minha vida, parece que a minha esperança se torna frágil, parece que a minha vida é um engano de Deus... Muitas vezes não saio, porque não desejo que a existência me faça mostrar que existo. E então... sinto um cansaço de mim própria, da minha existência, do meu ser pessoa cheia de fraquezas e incapaz de enfrentar os meus limites...

Agora à noite em que faço esta reflexão que pode parecer de desânimo e de morte, rezo um pouco, entrego-me nas mãos Daquele que de facto pode dar o sentido a tudo... até ao Alzheimer de que sofre a minha mãe...

Acalmo um pouco, reajo! Dou-me conta de que Deus não deseja afastar-se, sou eu que por vezes me ausento, sou eu que me escapo da sua presença...

Deixo um poema/oração do P. Arrupe s.j. que rezei acabo de rezar.

Não há nada mais prático do que encontrar a Deus;
do que amá-Lo de um modo absoluto, até ao fim.
Aquilo por que estejas enamorado
e arrebate a tua imaginação, afectará tudo.
Determinará o que te há-de fazer levantar de manhã
e o que farás dos teus finais de tarde;
como passarás os fins de semana,
o que irás ler e quem deverás conhecer;
o que te partirá o coração e o que te encherá
de espanto, alegria e gratidão.
Enamora-te, permanece enamorado,
e isso decidirá o resto!

terça-feira, 9 de novembro de 2010

O Menino de sua mãe


Observo o menino sentado no chão... Porquê? pergunto-me. Terá sido longo o seu percurso? Ou simplesmente se sentou para ouvir o canto de um passarinho?
Aparentemente ele parece nada recear... e por isso ouso aproximar-me e falar-lhe um pouco... Sento-me ao seu lado, escuto a sua respiração e falo baixinho, com doçura para não o assustar. Falo dos seus olhos cheios de beleza, do chilrear dos passarinhos e do encanto deste dia de Outono.
Será que me entende? Não sei bem, mas a minha intuição "maternal" diz-me que sim pois ele fixa-me com confiança e sorri... Um sorriso cheio de luz!
Passados alguns instantes eis que se levanta e em passos lentos mas decididos prossegue o seu caminho. Ao longe parece-me vislumbrar o final da estrada... alguns passos mais e volta-se acenando com a sua mãozinha pequena...
Faço um pequeno gesto de adeus e procuro reter no coração este encontro que considero simplesmente um dom...

Acordo com o barulho do motor de um carro que passa ao meu lado, abro os olhos... o sono vencera-me e posto de lado o livro que estava a ler tinha adormecido...
Fica a lembrança daquele que para mim sempre será: "o menino de sua mãe".
Alice

(Fotos do meu sobrinho Salvador)

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Eu, Ele e a vida ...

Acredito que, mesmo antes de abrirmos os olhos de manhã, antes de nós olharmos o rosto de Deus e lhe confiarmos o nosso dia, já Ele nos viu e dirigiu o Seu olhar de amor.
Por isso em cada dia que me levanto, esta certeza sustem as minhas pernas sabendo no entanto que a iniciativa é de Deus, é Ele que me levanta e me quer a agir como sinal de esperança contra toda a desesperança que possa surgir.

O vento forte e alguma chuva que hoje se fizeram sentir, levaram-me a ficar todo o dia "presa" em casa... Tinha alguns planos para o meu dia, mas nem essa prisão se tornou incómoda nem desoladora, ou sequer foi um peso... Porque este dia de silêncio foi produtivo e me ajudou a centrar mais profundamente no autor da vida, da minha vida...

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Os olhos e o olhar

Os olhos dos outros prendem sempre os nossos. Seja porque atraem, perturbam ou comovem, seja porque intimidam, magoam ou irritam é impossível ficar indiferente ao que transmite o olhar dos outros.

Laurinda Alves

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Testamentos de vida e de morte










Uma vida que é feita de surpresas e sonhos, histórias e memórias... Mas também uma vida onde o coração bate e ama, a cabeça pensa e a "alma" reza...
Por isso mesmo aqui fica este artigo.

« Não deverá ser vinculativa uma declaração antecipada de vontade de recusa de tratamentos úteis à salvaguarda da vida.

Volta à ordem do dia a discussão sobre o chamado "testamento vital". Há quem sublinhe a diferença entre a consagração legal deste instituto e a legalização da eutanásia. Mas há também quem receie que desta forma se abram as portas a esta legalização.
Não será justificado esse receio se o testamento vital servir para manifestar a vontade do "testador" no sentido da abstenção de tratamentos inúteis ou desproporcionados (no âmbito da chamada "exacerbação terapêutica"). Mas já não será assim quanto a tratamentos úteis e proporcionados na perspectiva da salvaguarda da vida. Os modelos de testamento vital anexos ao projecto apresentado pelo Bloco de Esquerda são claros a este respeito: aí se contempla a recusa de tratamentos que permitam salvaguardar uma vida sem capacidades de autonomia ou sem "qualidade". Respeitar uma declaração deste tipo é confirmar aquela ideia, subjacente à legalização da eutanásia, de que a vida pode deixar de ser merecedora de tutela quando perde "qualidade". Trata-se de veicular uma mensagem cultural de desvalorização da vida limitada pela doença que não deixa de ter graves consequências sociais.

Dir-se-á que há que respeitar o princípio da autonomia, evitar tratamentos forçados, respeitar uma vontade do doente previamente formulada quando este não a pode manifestar actualmente por estar inconsciente (a sua incapacidade não o faz perder direitos - argumenta-se). Mas é diferente o respeito por uma vontade actual e esclarecida (que não suscita dúvidas sobre o seu sentido autêntico) e o respeito por uma vontade hipotética, com base em declarações prestadas anteriormente num contexto muito diferente do actual (de forma necessariamente pouco esclarecida, precisamente por esse contexto ser diferente do actual). Não se trata apenas de considerar a dúvida sobre a informação a que possa ter tido acesso a pessoa quando formulou essa declaração, ou sobre se a situação em que se encontra agora era, para ela, nessa altura, previsível. Nem também a possibilidade de o estado dos conhecimentos médicos se ter alterado desde então. É que subsiste sempre a dúvida (independentemente do tempo decorrido e da possibilidade de revogação da declaração) a respeito de saber se a pessoa não poderia mudar de opinião.

É sabido como é frequente uma atitude de grande apego à vida nos seus últimos momentos e diante da revelação de uma doença, mesmo da parte de quem havia manifestado uma atitude contrária quando se encontrava são. Tem sido evocado o exemplo da médica francesa Silvie Ménard, que rasgou o seu testamento vital depois de lhe ter sido diagnosticado um cancro, porque passou a querer "lutar" até ao fim. E um caso ocorrido num hospital de Cambridge em Julho deste ano também é significativo: estavam os médicos para desligar um aparelho que mantinha em vida Richard Ruud, um homem paralítico e inconsciente devido a um acidente, baseados numa declaração de vontade que este havia formulado verbalmente alguns anos antes a propósito de um amigo também vítima de um acidente análogo; quando ele, através do abrir e fechar de olhos, manifestou a sua oposição, que veio a ser atendida. Afirmou, então, o pai, que tinha autorizado os médicos a desligar o aparelho: "Estou feliz por lhe ter sido dada a oportunidade de sobreviver. Decidir se um filho deve, ou não, viver é quase impossível".

Está em jogo o mais fundamental dos bens e a mais claramente irreversível de todas as decisões. "Há solução para tudo menos para a morte" - diz o povo. Depois da morte, não há nada a fazer. Depois de salva a vida, quem disso beneficia sempre poderá pôr-lhe termo pelos seus próprios meios (o que até será pouco provável). Mais vale, pois, salvar uma vida do que tomar uma decisão irreversível que conduz à morte sem a certeza absoluta de que seria essa a vontade do doente. Esta dúvida há-de subsistir sempre. Rege aqui o princípio in dubio pro vita.

Por isso, não deverá ser vinculativa, nem deverá ser observada, uma declaração antecipada de vontade de recusa de tratamentos úteis e proporcionados na perspectiva da salvaguarda da vida. Só assim o testamento vital não será uma porta aberta à eutanásia. »

Artigo do Público, 2010-10-25 Pedro Vaz Patto

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Oração


Senhor!
Desejo olhar-te enquanto me lavas os pés...
Quero falar-Te neste momento em que sinto que me ouves, porque o teu olhar se fixa em mim com ternura!

Necessito e desejo silenciar a minha vida, os meus medos e as minhas paixões…
Ensina-me o dom do silêncio fecundo, que em Ti e Contigo, adquire o novo sentido da oferta.

Necessito e desejo esvaziar-me de tantas coisas, que pelo excesso, retiram a liberdade à minha existência…
Ensina-me o dom da sensatez que me enche de Ti, porque só de Ti precisa, para viver a fecundidade de me abrir, acolher e escutar o outro.

Necessito e desejo fazer desabrochar no meu coração um amor que viva e se alimente da Tua presença na minha vida…
Ensina-me o dom da gratidão e da entrega nas Tuas mãos de Pai e Amigo, cujo abraço dura para sempre.

Alice

sábado, 16 de outubro de 2010

Hoje há festa no céu


O João Pedro fez festa connosco no seu Baptismo... E assim a festa estendeu-se da terra ao céu.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Falar da alegria

A alegria que provém da compaixão é um dos segredos mais bem guardados da humanidade. É um segredo só conhecido de muito poucas pessoas, um segredo a descobrir continuamente. Eu, pessoalmente, tive umas «amostras» dela. Quando vim para Daybreak, uma comunidade com pessoas com deficiências mentais, pediram-me para passar algumas horas com Adam, um dos membros deficientes da comunidade. Todas as manhãs, tinha que o levantar da cama, dar-lhe banho, barbeá-lo, escovar-lhe os dentes, dar-lhe o pequeno-almoço e levá-lo para o lugar onde ele passa todo o seu dia. Durante as primeiras semanas, quase tive medo, sempre preocupado com não fazer nada mal ou com que ele tivesse algum ataque epiléptico. Mas, pouco a pouco, fui ficando mais calmo e comecei a apreciar a nossa rotina diária. Com o passar das semanas, descobri que já era com ansiedade que esperava por aquelas duas horas que passava com o Adam. Sempre que pensava nele durante o dia, experimentava um sentimento de gratidão por o considerar meu amigo. Embora ele não fosse capaz de falar e nem sequer de fazer um sinal de agradecimento, havia um autêntico amor entre nós. O meu tempo com Adam tornara-se o tempo mais precioso do dia. Quando uma visita amiga me perguntou um dia: «Não poderias passar melhor o tempo que a trabalhar com um homem deficiente? Foi para fazer esse tipo de trabalho que tiraste o teu curso?», compreendi que não era capaz de lhe explicar a alegria que o Adam me trazia. Ele tinha que descobrir isso por si mesmo. A alegria é o dom secreto da compaixão. Continuamos a esquecer-nos disso e inconscientemente procuramo-la em outros lugares. Mas, cada vez que voltamos para onde existe a dor, conseguimos uma nova «amostra» de alegria que não é deste mundo.

Henri Nouwen, Aqui e Agora


Meus sobrinhos... Minha alegria!

O que é a alegria?
Talvez uma forma de estarmos mais abertos à alegria é estarmos também mais abertos ao mistério de Deus.
A alegria surge, quando ainda pode haver a surpresa.
Quando achamos que temos a última resposta, pouco sobra para a alegria, pouco sobra para Deus.
Manuel Vilhena (extracto de artigo)

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Abraço...



Ao ler este testemunho simples e despretensioso, veio à minha mente o abraço emocionado de cada um dos mineiros do Chile...





Abraço...

É demonstração de afecto
Carinho e muito amor
É saudade e lágrima
Mas também o calor

Abraço é amar
É querer aconchego
É sentir um amigo
Com todo o seu apego

Podemos abraçar
Uma causa uma pessoa
Abraço é abraço
É cingir e cercar
É não sentir espaço

Abraçar uma causa
É o que nos faz sentir
Que quem luta acredita
E nunca deve desistir

Abraçar uma criança
Transmitir-lhe carinho
É dizer-lhe com os braços
Que nunca estará sozinho

Abraçar um amigo
Com toda a fraternidade
E como dizer estou aqui!
Para a toda a eternidade

Abraçar um amor
Com toda a compreensão
É desatar todos os nós
E fazer um laço de união

Vamos assim abraçar
Uma criança, uma causa
Um amigo e o nosso amor?
Custa tão pouco abraçar...
Acreditem não dá dor!

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Busca...


«Busco a doçura profunda,
a que nunca ninguém viu,
e cuja existência não pode ser posta em causa,
pois é a ela que
devemos a beleza perfumada dos jacintos, a luz nos olhos espantados dos animais e tudo o que, sobre a terra e nos livros, o que há de bom.»
Christian Bobin



Sempre à busca como quem sabe que a seguir a cada noite chuvosa surge uma manhã de sol!

Foi assim que começou hoje o meu dia... Sonolenta por uma noite solitária e mal dormida. Um enorme cansaço tinha tomado conta de todo o meu ser, neste caminhar em busca da doçura que não encontrei em parte alguma a não ser hoje na Eucaristia.

É dia de S. Francisco de Assis... e em certo momento dou-me conta que de novo sou capaz de rezar. Rezar com sentimentos de quem fala com alguém que me conhece e me diz: "os jacintos" são teus, criei-os para ti, hoje e sempre, porque te amo.
Como Francisco ouso hoje cantar o Sol, a Lua e as Estrelas e com simplicidade quero olhar todos os que me rodeiam e dizer-lhes olhos nos olhos: Paz e Bem!

Dou-me conta, de que nada é mais gratificante do que continuar a amar aqueles que em certos momentos trouxeram "morte", decepção ou tristeza à minha vida. Compreendo que faz parte do meu ser, continuar a amar e acreditar que me escolheste para Ti, Senhor! Porque sim... Só por amor! Não permitas que a fragilidade em que vivo me afaste de Ti.

Sento-me na beira da minha cama e deixo rolar na minha face uma lágrima de paz e bem, um sinal de gratidão por tanto bem recebido.

sábado, 2 de outubro de 2010

"O Caminho é o abandono da criança que adormece, sem medo nos braços de seu Pai"
Stª Teresinha

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

O Hoje e as flores...

Todas as pessoas grandes já foram um dia crianças, mas poucas se lembram disso. (Exupéry)

sábado, 18 de setembro de 2010



Os dias de verão

Os dias de verão vastos como um reino
Cintilantes de areia e maré lisa
Os quartos apuram seu fresco de penumbra
Irmão do lírio e da concha é nosso corpo

Tempo é de repouso e festa
O instante é completo como um fruto
Irmão do universo é nosso corpo

O destino torna-se próximo e legível
Enquanto no terraço fitamos o alto enigma familiar dos astros
Que em sua imóvel mobilidade nos conduzem

Como se em tudo aflorasse eternidade
Justa é a forma do nosso corpo

Sophia de Mello Breyner Andresen
Dual, 1973




É com ele, o nosso corpo, que vivemos, nos relacionamos e nos tocamos em sinal amor ou de afeição!
Eis-me aqui num momento de ternura, de bem estar e de gozo... envolvida e tocada pela beleza que me rodeia.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Conselhos


"É preciso que a gente se conforme em arrancar regularmente os baobás logo que se distingam das roseiras"... (Exupéry)

Volto sempre... ainda que a vida vá dando as suas voltas.
Sinto-me bem, isto é, sinto-me bastante melhor do meu pé e de tudo o resto. Sinto as pernas mais leves e ágeis. As mãos da "minda fada" Sandra percorrem os meus músculos com todo cuidado e ajudam-nos a revitalizar.

Arrancar regularmente os baobás logo que se distingam das roseiras... é a solução para a vida fisica e também para a vida interior.

E a vida volta volta a ter mais serenidade e alegria!

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Uma simples flor

Vive com a confiança de uma flor! A arte de viver, é a arte de confiar...

Vivo com confiança, mas ainda me falta muito para atingir verdadeiramente a arte de viver na confiança total, faço em cada dia propostas a mim mesma de não desistir desta aprendizagem e percorro assim o meu caminho terreno. Esta semana morreu a esposa de um amigo muito próximo com quem tenho trabalhado no voluntariado do banco alimentar contar a fome.
Fui ao enterro e chorei como tantos outros. Foi uma manifestação de muito carinho e muita fé e estes momentos fazem-me sempre reflectir na finitude da vida nesta terra e na esperança de uma outra, em que misteriosamente e simplesmente estarei junto do Pai. E decerto lá encontrarei a plenitude que não precisa já de nenhuma arte, senão a de colher e viver a alegria do encontro.

Continuo a fazer os tratamentos de fisioterapia, mas preciso ser persistente pois por vezes não me apetece mesmo ir... Contudo sei que é necessário e esforço-me, mesmo quanto preferia ficar em casa no sossego.
A minha terapeuta agora é a Sandra, muito suave e muito carinhosa comigo e com todos os outros, tem umas mãos leves, quase poderia dizer prateadas de tanto amor que põe naquilo que faz.
Sandra obrigada!

sábado, 31 de julho de 2010

Celebrar a vida


Alegra-te porque um novo dia chegou, trazendo o sol, as flores e todas as águas do mar... Tudo para te saudar!
A vida é bela há que vivê-la com alegria e celebrá-la como um dom do Amor de Deus. Parabéns!

sábado, 24 de julho de 2010

Pensamentos


A propósito de uma conversa com uma amiga e da frase "Quem ama liberta..."
Tenho pensado que o amor verdadeiro me levará a fazer tudo o que de mim depende para o bem e para a liberdade do outro, sem que seja preciso estar sempre a calcular ou a medir.

‘Dá-me o teu coração, ama-me como és’. Se esperas ser perfeito para te entregares ao amor, nunca me amarás.

Li algures estas palavras e sei que Jesus as vai segredando ao meu ouvido em cada dia, mas sobretudo nos momentos em que julgo que a minha vida precisa de encontrar novo sentido e na solidão das minhas noites mais escuras, procuro novas formas de a viver e novos horizontes a descobrir.

Fazer do momento presente, o momento de amar tudo em todos é uma solução e uma verdade que não me leva a ilusões e não pode deixar que o "amor" me magoe e me torne frágil. Este é um desejo de verdade que nunca acabará em mim. E a mentira é a face mais visívil do desamor que se pode experimentar.

Se deixo um coração magoado nunca deixarei o outro livre porque fica preso pela mágoa e pela dor que lhe causo...
Estas são ideias que me surgem e que não têm rosto visivel, nem se referem a ninguém em especial ... mas de facto reflectindo-as dão-me a certeza de que o amor verdadeiro é exigente, implica oferecer a vida sem mais nada e sem qualquer retorno por aqueles que amamos.
Alice

(Foto da Serra da estrela)

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Uma simples linha...

Comecei a fazer tratamentos de fisioterapia há uma semana, é um esforço que devo, preciso de fazer para melhorar a minha força muscular que se tem degradando lentamente. Mal me fui dando conta disso, a não ser pelas quedas constantes.
Então... mais algumas pessoas entraram minha vida e passaram a fazer parte dela... O médico os fisioterapeutas, a recepcionista... E duma forma particular o Keita.
O Keita é um terapeuta, Guineense, com gestos de bondade e ternura pelas pessoas. É ele que me trata com as suas mãos fortes e ao mesmo tempo suaves!
Ontem no entanto voltei a cair aqui em casa e não consigo caminhar sem apoio...
Sinto alguma melancolia, no entanto não me sinto infeliz... o sol passa pelas frestas da persiana meio fechada e estou com gelo no pé. Sei que preciso cada vez mais de me fazer pequena e simples para aceitar com naturalidade estes acontecimentos.

Depois de mais esta queda, que não consegui evitar, pensei e reflecti bastante em, como é ténue a linha que divide o céu da terra, a linha que separa a morte da vida, o amor do egoísmo...os momentos fortes de alegria dos momentos de desconforto e melancolia...

É assim, como uma espécie de brisa, que passa e me leva ao colo. me transporta de um sitio para o outro, de uma circunstância para outra, dum local onde existe a frescura da agua que corre para instantes de aridez e de sede, da beleza do mar azul para uma paisagem triste mas bela também...

Deixo estas palavras e desejo que sejam de alegria, paz e força, porque eu amo a vida que tenho!

Alice

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Segredos de Deus


Anseio por te falar porque te conheço... Conheço em segredo a tua vida na terra. Deixa-me conduzir-te e conserva no teu rosto a felicidade que só eu conheço bem.

Dá-me possibilidades de te amar e Eu farei maravilhas na tua fragilidade. O meu coração atento vê antes de ti onde está a fonte do amor, não temas! Se caíres será a minha mão forte que te levanta... Olha para a vida a partir do outro, porque também nele existe um desejo de felicidade e de paz... não passes ao lado, não feches os olhos nem o coração.
Serei Eu a Fonte por que esperas! Não fiques à beira aproxima-te... me econtrarás sempre!

Dá-me o teu ser inquieto e permance em Mim, dá-te conta da felicidade que já tens e nem sempre reconheces.
Não tenhas medo de gritar a tua dor... mas não escondas o sorriso da tua alegria ou da tua paz.
Descansa em Mim e acredita que eu estou naqueles com quem te cruzas no dia a dia!

Se ainda duvidas de quanto quero a tua amizade e a tua confiança, fica um pouco em silêncio...
Não tenhas medo de calar a tua dor, não tenhas medo de chorar no silêncio da tua noite...
E, ainda que tenhas de fazer um desvio no caminho que segues... Aproxima-te! Eu estou sempre no "outro", sobretudo no que está caído na beira da estrada e esse "outro", tal como tu, tem a prioridade, fica atenta e vigilante...
Dá-me o teu coração, dá-me a tua oração, dá-me a tua alegria!

Alice

sábado, 10 de julho de 2010

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Por causa de uma simples rosa...


"Só quem faz bem as pequenas coisas é capaz de fazer também as grandes"...
Acredito nisso, tal como acredito que é nos pequenos gestos que revelamos a nossa alma, a nossa força, a nossa alegria e o nosso desejo de constuir um mundo melhor.
É incrível (um milagre mesmo!) como se pode ficar tão marcado por alguém, só porque nos ajuda a apreciar a beleza do mundo à nossa volta... No meu caso, a ver com olhos purificados aquilo que faço, vivo, sinto e desejo...

Têm existido pessoas na minha vida cuja presença é muito marcante! Delas emana uma força e uma sensibilidade que me enternece e fortalece ao mesmo tempo, transformando rios de lágrimas "mornas", em fontes de vida que deseja ser refrescante e bela...
Não sei se esta rosa é minha ou se simplesmente me foi emprestada, mas na verdade rego-a todos os dias e acredito que permanecerá para sempre no meu coração como uma dávida do amor de Deus, que arranja todas as formas de vir ao meu encontro.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

"Ama-me por Amor somente"


Ama-me por amor somente.
Não digas: "Amo-a pelo seu olhar,
o seu sorriso, o modo de falar
honesto e brando. Amo-a porque se sente
minh'alma em comunhão constantemente
com a sua".

Porque pode mudar
isso tudo, em si mesmo, ao perpassar
do tempo, ou para ti unicamente.

Nem me ames pelo pranto que a bondade
de tuas mãos enxuga, pois se em mim
secar, por teu conforto, esta vontade
de chorar, teu amor pode ter fim!
Ama-me por amor do amor, e assim
me hás de querer por toda a eternidade.


Madre Teresa de Calcutá

sábado, 19 de junho de 2010

Caminhando

Caminhada CVX

A esta caminhada, «Caminhar
com Deus e com os Homens»,

todos somos convidados,
e todos a podemos fazer.




Aqui começou...
Na serra da Gardunha,
junto ao Parque de merendas de Alcongosta.
Olhavamos a cidade dos Homens,
o Fundão, e sentíamos
uma proximidade muito forte com Deus.

Um circulo a juntar-nos e o tema foi lançado...
Um breve texto do Génesis sobre a Criação
" E Deus viu que tudo era bom".
Introdução sobre o posicionamento
do Homem perante a criação...
Um saquinho com pequenas
frases sobre o afastamento do homem
do projecto de Deus e mau uso da criação.
Cada qual ía retirando e lendo o que lhe calhava.
“Dá-me aparte dos bens que me corresponde “
frases diversas exemplificando
as razões para esse afastamento…


A frase que eu tirei diz: " Vamos construir uma cidade e uma torre cuja extremidade atinja os céus. Assim, tornar-nos-emos famosos... " Gn. 11,4



Começámos então a caminhada, eles em grupo descendo a encosta...
Eu desci no carro, a estrada era sinuosa,
flores e verdura à minha volta...
e sempre, sempre acompanhada por
uma presença única e forte.
Nunca estarei só! Já tinha percebido...
Nada tenho, nada sou, nada espero...
porque tudo me é oferecido por Deus.


Encontámo-nos num pequeno cruzamento... Afinal todos íamos em busca da "FONTE" .















Em Alcongosta, terra de Homens, a nossa atenção centrou-se neste Deus que se aproximou de tal modo os Homens, que Ele próprio se fez um de nós,
Deus faz-se pequeno e necessitado, despojado…

O texto de reflexão foi retirado do livro do P. Nuno Tovar Lemos, sj. "O Principe e a lavadeira".... Fazendo-nos reviver o mistério da encarnação.




Regressamos da nossa caminhada,
o regresso ao éden,
a aliança, a paz de novo, …
Um salmo ou canção ….
Umas cerejas à nossa espera,
como símbolo da dádiva de Deus,
fruto da terra para nosso bem…

Uma Eucaristia Presidida pelo Padre Herminio Vitorino! A paz a alegria e a Acção de Graças por tanto bem recebido.