quarta-feira, 29 de julho de 2009

Eu e os outros

Por ser para mim tão motivador este pequeno texto, deixo-o ficar para que outros possam ler e colher o bem que pode fazer a cada um. Para mim é motivo de oração por um lado, por outro de consciencialização dos meus limites e da minha missão nesta fase da vida. Não sei quem escreveu.

O trabalho que a mãe tem com um filho pequeno é interminável, não olha a horários, não se compadece com o dia ou com a noite. Mas até esta incansável lida de mãe nos parece fácil perante o trabalho que muitos têm com um idoso ou um incontinente. A mãe trata do corpo precioso do filho, do corpo pleno de promessas e de futuro do seu bebé, e a confiança e o sorriso que ele lhe devolve recompensam-na. Quando envelhecemos, o nosso corpo degrada-se, não o controlamos, tornamo-nos difíceis de ajudar e de aturar. O orgulho, a vergonha e a raiva de nos vermos assim diminuídos impedem-nos de aceitar de boa cara o apoio de que necessitamos e que nos oferecem, tornamo-nos avarentos na gratidão e nos sorrisos. Por todo mundo há inúmeras mulheres, maridos, filhos, parentes, funcionários ou amigos cuja existência diária gira em volta da higiene e dos cuidados prestados àqueles que amam. "O teu Pai, que vê o oculto, há-de recompensar-te" (Mt 6:6). É uma doutrina que parece fora de moda. Thomas A. Kempis (autor de A Imitação de Cristo) incita-nos a valorizar o anonimato, a invisibilidade. Fala-nos da virtude de perseverar no tédio, de sobreviver sem o oxigénio da gratidão, do reconhecimento, do enaltecimento, do carinho; da prática diária e calada de boas acções que só Deus pode ver, conhecer e reconhecer. Os que assim cuidam dos outros estão entre os mais heróicos dos homens e mulheres.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Despedida


S. Martinho do Porto (Foto tirada no terraço da casa pela amiga Maria)

Olhávamos o MAR, as nuvens… O sol estava lá, meio encoberto e silencioso mas presente, projectando um brilho especial nas águas.
Era um momento difícil. Apertamos as mãos dizendo-nos com o olhar: “Ainda que… Nunca te esquecerei!”
As ondas chegavam perto, num murmúrio misturado de sal e de paz... permanecíamos em silêncio. O terraço onde nos encontrávamos tornara-se pequeno para abarcar a emoção que sentíamos. Rezámos, falando com o autor da vida, Aquele que tudo sabe e pode, tudo recebe e tudo dá.
O tempo foi passando, e de súbito demos conta de que a tarde chegara ao fim. A luz do dia começava a ser trocada por uma outra luz que nos envolvia num abraço suave mas forte.
Uma brisa começou a fazer-se sentir, trazendo-me uma sensação de frio, era o momento!
Lentamente fui-me afastando e apoiada ao corrimão, desci a escada que me levaria ao local onde estava o carro. Arranquei devagar continuando a olhar o mar numa tentativa de o levar comigo como recordação deste sonho.
Alice

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Pensando bem...

Chegamos ao amor, não porque encontramos a pessoa perfeita, mas aprendendo a ver perfeitamente a pessoa imperfeita

Sam Keen (Filósofo, teólogo, escritor americano contemporâneo)

Ler este pequeno ensinamento, leva-me a refletcir sobre o modo como amo e como me sinto ou desejo ser amada... Apercebo-me de que toda a existência é busca, é um desejo de felicidade e de paz, de onde, a esperança não pode estar ausente ou adormecida, ainda que a vida traga dificuldades.
O Pai que nos fala nos ama e nos convida continuamente a viver do Seu Amor, é Aquele que nos olha (me olha) e vê "perfeitamente" ... porque desde sempre me pensou e me sonhou!

sábado, 18 de julho de 2009

Pegadas na areia


Uma noite eu tive um sonho.
Sonhei que estava a andar na praia com o Senhor
e à minha frente, passavam cenas da minha vida.
Para cada cena que se passava,
percebi que eram deixados
dois pares de pegadas na areia;
Um era meu e o outro do Senhor.

Quando a última cena da minha vida passou
Diante de nós, olhei para trás, para as pegadas
Na areia e notei que muitas vezes,
no caminho da Minha vida
havia apenas um par de pegadas na areia.
Notei também, que isso aconteceu nos momentos
Mais difíceis e angustiosos da minha vida.
Isso entristeceu-me muito, e perguntei
Então ao Senhor.

" Senhor, Tu disseste me que, uma vez
que eu resolvi seguir Te,

Tu andarias sempre comigo,
Durante a minha caminhada, notei que
nos momentos mais Difíceis da minha vida
havia apenas um par de pegadas na areia.
Não compreendo porque nas horas
que mais necessitava de Ti,
Tu me deixastes.

"O Senhor respondeu me:
"- Meu Filho... Eu Amo-te e
jamais te deixaria nas horas de prova
e de sofrimento.
Quando vistes na areia,
apenas um par de pegadas,
foi exactamente aí que EU,
peguei em ti ao colo..."

segunda-feira, 13 de julho de 2009

A DANÇA


Não te amo como se fosse rosa de sal, topázio
ou flecha de cravos que propagam o fogo:
te amo secretamente, entre a sombra e a alma.
Te amo como a planta que não floresce e leva

dentro de si, oculta, a luz daquelas flores,
e graças a teu amor vive escuro em meu corpo
o apertado aroma que ascender da terra.

Te amo sem saber como, nem quando, nem onde,
te amo directamente sem problemas nem orgulho:
assim te amo porque não sei amar de outra maneira,

Se não assim deste modo em que não sou nem és
tão perto que a tua mão sobre meu peito é minha
tão perto que se fecham teus olhos com meu sonho.

Pablo Neruda

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Manhã de sol


"Quando abro a cada manhã
a janela do meu quarto

É como se abrisse o mesmo livro
Numa página nova..."
Mário Quintana


Abro a minha janela e ... sinto-me agradecida ao Senhor por cada oportunidade de estar, de viver de recomeçar... E na pequenez e fragilidade do meu coração Lhe entrego tudo o que vejo observo e amo, o que sinto, o que posso, o que desejo e finalmente o mais custoso: O que sou!

A minha graça te basta,
porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza.
De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas,
para que em mim habite o poder de Cristo."
II Corintios 12:9

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Brincando aos versos


Aceita com serenidade e paz os teus limites...
Ainda te olhem por pareceres diferente
Diz sim, não, ou talvez...mas sorri...
Viver acreditando é urgente!

Transmite ao teu redor a brisa leve
Do vento soprar em "Mi maior"...
Sorri quando faz sol e quando chove
Lembra-te do novo dia se anoitece!

Se pões na tua canção o amor e a fé
Que te fazem pisar a relva verde
Não pares de cantar o dom da vida
Aquilo que se dá, nunca se perde....
Alice

(Dedico às minhas amigas Paula e Fátinha, elas sabem porquê...)