sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Amai os vossos inimigos… Acreditas nisto?

Hoje e... 
«Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Ouvistes que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo’. Eu, porém, digo-vos: Amai os vossos inimigos e orai por aqueles que vos perseguem, para serdes filhos do vosso Pai que está nos Céus; pois Ele faz nascer o sol sobre bons e maus e chover sobre justos e injustos».  

Jesus hoje, convida-me insistentemente a refletir até onde vai minha capacidade de acreditar num caminho único, aquele que me leva à felicidade. Como poderei amar aqueles que não gostam de mim? Como isso me parece difícil... Só sei que, o que Ele me pede, não pode ser impossível. 
Conheço o milagre do amor Deus em mim e por isso acredito que tudo está ao meu alcance, ao meu lado, perto de mim.  



Deixo este extrato de um texto de D. António Couto


«Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei!» (João 13,34). Aqui, a medida não sou eu. Aqui, a medida é Jesus, o das alturas, o do alto das montanhas. Aqui, a medida é sem medida! Aqui, o amor não é interesseiro. Aqui, o amor é puro, radical, incondicional, assimétrico, sem retorno. Aqui, o amor é até ao fim! Oh sublime ciência das alturas!

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Confidencial


Não me perguntes, porque nada sei
Da vida,
Nem do amor,
Nem de Deus,
Nem da morte.
Vivo,
Amo,
Acredito sem crer,
E morro, antecipadamente
Ressuscitando.
O resto são palavras
Que decorei
De tanto as ouvir.
E a palavra
É o orgulho do silêncio envergonhado.
Num tempo de ponteiros, agendado,
Sem nada perguntar,
Vê, sem tempo, o que vês
Acontecer.
E na minha mudez
Aprende a adivinhar
O que de mim não possas entender.

Miguel Torga


Foto Sortelha (Zilda)


sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Amor


Amor são duas solidões protegendo-se uma à outra.
Rainer Maria Rilke

Foto de Sortelha (Zilda)

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Manto de brancura - a minha terra

E é esta a paisagem que nos rodeia há alguns dias, desde a encosta até às Penhas da Saúde, o branco e o castanho algo esverdeado se misturam em beleza natural e solenidade. 

Assim em cada lago a lua toda 
   Brilha, porque alta vive 
Ricardo Reis, in "Odes" 
Heterónimo de Fernando Pessoa
Fotos de amigos do facebook

domingo, 9 de fevereiro de 2014

As pérolas


Esta manhã quando entrei na cozinha reparei que a minha orquídea estava um pouco dobrada sobre si própria, mais do que habitualmente, e chorava... Pequenas gotas saídas de cada nó, escorriam-lhe pela haste miudinha e frágil. 
De facto há alguns dias que eu esperava a flor que parecia querer desabrochar a qualquer momento, mas hoje ela se desfaz em lágrimas transparentes.
São lágrimas muito particulares, redondas e brilhantes como pérolas preciosas que recebo e acolho como um dom que me recorda a fecundidade da natureza a irradiar o seu encanto. O dom que na natureza é espaço da criação, do nascimento e da vida. 



sábado, 8 de fevereiro de 2014

Hoje te falo eu, Senhor

E um caminho novo se abre a nossos pés,
Uma luz nova em nossos olhos arde,
Átrio de luminosidade,
Pão
De trigo e de liberdade,
Claridade que se ateia ao coração.
 
Lume novo, lareira acesa na cidade,
És Tu, Senhor, o clarão da tarde,
A notícia, a carícia, a ressurreição.
 
Passa outra vez, Senhor, dá-nos a mão,
Levanta-nos,
Não nos deixes ociosos nas praças,
Sentados à beira dos caminhos,
Sonolentos,
Desavindos,
A remendar bolsas ou redes.
 
Sacia-nos.
Envia-nos, Senhor,
E partiremos
O pão,
O perdão,
Até que em cada um de nós nasça um irmão.

D. António Couto

Foto de P. Luís Pardal, um amigo

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Quem és Tu, Senhor?


"Quem és Tu, Senhor? E o que queres de nós, Senhor?

Morreste. A terra inteira calou-se nesse instante. 
Todos os pássaros se calaram. Todos os riachos pararam de correr
Com a lágrima calada de Deus.
Mas,
Aquele a quem escandalosamente chamavas de papá, Abbá
Levantou-te da morte com a qual te queriam parar e calar.
E estás vivo, da Vida de Deus
És as mãos de Deus que enxugarão todas as lágrimas.
És os pés que vão ao encontro
És todos os gestos que nos dizem como ser gente mais gente
És a Voz de todos os profetas que hoje seguem
Os mesmos caminhos que tu caminhas, Jesus.
ÉS! O Pão. Um Pão, um Corpo teu… que se parte e parte,
Para que não falte a ninguém, e todos sejam um… Um pão…
Um corpo teu.
Quem és tu, Jesus?
O que queres de nós, Senhor?" 
Susana Braguês

derrotar montanhas

Imagem de um powerpoint 

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

A minha terra com os seus encantos e recantos

Não é exactamente a minha terra, mas fica a cerca de 180 km a Aldeia de Monsanto, chamada "a mais portuguesa de Portugal".
Está situada na encosta de um monte bastante íngreme e rochoso e as suas casas de granito e xisto, umas altaneiras, outras encaixadas e abrigadas no meio das rochas guardam um pequeno mundo de beleza e de encanto.
Por causa da difícil acessibilidade do local, só um pouco ao longe tenho podido apreciar tudo isto. Mas mesmo as coisas que só a vista descortina e o coração sente… mesmo aquilo que não me é dado tocar a não ser por um olhar mais profundo, fazem de mim uma pessoa feliz e agradecida.

Aqui ficam as fotos que a minha amiga Zilda tirou para mim. Com elas mergulho num mundo/vida cheio de acontecimentos que guardarei para sempre na memória.