sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Ouvir a estrela



Que nesta hora de contornos duros
eu possa, meu Deus, ouvir a estrela
e aprenda a seguir, mesmo na
fragilidade,
de vislumbre em vislumbre
a sua transparência preciosamente pura
Não é verdade que a vida não se altera:
Possa eu ouvir de novo a estrela de Deus
que faz mover a noite
Tudo na sua abóbada aberta nos reergue
por isso é possível renascer do alto
onde o amor se declara
na proposta de um começo
Ouvindo a estrela eu descubra
que do fundo de mim
Tu, meu Deus, caminhas para mim.

P. Tolentino de Mendonça


quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

No Natal, a Manjedoira

Hoje, de coração ajoelhado junto à gruta de Belém, também eu desejo aprender como se constrói a manjedoira, em silêncio...


quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

No Natal...Há mais, muito mais

NATAL
Há mais, muito mais…
No Natal há mais do a que luz da vela, o riso
É o espírito da doce amizade que brilha todo o ano.
É compreensão e bondade, é a esperança renascida novamente,
É a estrela da alegria e o crer no menino que vem para nós, simplesmente...

Gedanken an Weihnachten

Há pessoas que nos falam do Deus Menino e há pessoas que nos ajudam a vê-Lo, a senti-Lo e a toca-Lo com os olhos e o coração.
Então queria dizer-vos que ontem me visitou um "Anjo", trazia a alegria estampada no rosto e muito carinho gravado no coração. Era tal como eu imagino os anjos... E trazia imensas asinhas, com os nomes dos meus amigos escritos em cada uma delas.  
Tal como acontece com as crianças quando chega o Menino Jesus, fiquei sem palavras... Muito grata pelo presente que o anjo me fez chegar,  mas ainda mais por tanto carinho.
Não sei mais que dizer... a não ser que  sinto a minha vida como um dom precioso que me foi concedido pelo Deus Menino.

domingo, 13 de dezembro de 2015

Em tempo de Advento no domingo ALEGRIA



Rezar à luz da estrela do Advento

Visite-nos Senhor tua alegria.
Seja ela o dom que sustém esta hora da nossa vida.
Tenha o poder de reedificar o caído,
de aclarar a tenda que a noite atribulou,
de unir aquilo que a tristeza ou o cansaço interromperam.
Seja ela o sinal da leveza com que nos vês,
a carícia que nos estendes no tempo,
o assobio que inaugura as tréguas.
Dá-nos Senhor, neste tempo,
a alegria como alento revitalizador.
Inscreva ela em nós o sabor
da vida abundante e multiplicada;
perfume cada um dos nossos gestos;
traga às nossas palavras a luz das estrelas
que emprestam à noite uma inesquecível doçura.


Texto: José Tolentino Mendonça

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Em tempo de Advento

Mateus 8, 5-11
«Entrando em Cafarnaúm, aproximou-se dele um centurião, suplicando nestes termos: «Senhor, o meu servo jaz em casa paralítico, sofrendo horrivelmente.» Disse-lhe Jesus: «Eu irei curá-lo.» Respondeu-lhe o centurião:
«Senhor, eu não sou digno de que entres debaixo do meu tecto; mas diz uma só palavra e o meu servo será curado.  Porque eu, que não passo de um subordinado, tenho soldados às minhas ordens e digo a um: ‘Vai’, e ele vai; a outro: ‘Vem’, e ele vem; e ao meu servo: ‘Faz isto’, e ele faz.»

Jesus, ao ouvi-lo, admirou-se e disse aos que o seguiam: «Em verdade vos digo: Não encontrei ninguém em Israel com tão grande fé! Digo-vos que, do Oriente e do Ocidente, muitos virão sentar-se à mesa do banquete com Abraão, Isaac e Jacob, no Reino do Céu.»


domingo, 29 de novembro de 2015

Saber-se esperado

Poema

É bom saber que esperas por todos!
Senhor, ninguém vive tão à espera como tu!

Na tua bondade esperas por todos:
pelos que estão longe e pelos que estão perto.

Pelos que se lembram
e pelos que têm o coração submerso no esquecimento mais fundo.
Pelos que todos os dias te rezam: ‘Vem Senhor’
e por aqueles cuja oração é silenciosa ou com pouca serenidade.

É bom saber que esperas por todos.
E que na imensidão amorosa da Tua espera,
cada um pode reaprender o sentido verdadeiro da esperança.

Adaptada por mim para Eucaristia com crianças
P. Tolentino Mendonça, Um Deus que dança, 57.

Weihnachtskerze 

Tudo fica diferente ao ler e refletir este poema! Enquanto espero, já não sou eu que espero, porque Ele, o Senhor, espera por mim.  
É assim que ao começar este advento, a espera se faz nova bênção, a vida fica mais leve e a cada momento de alegria, ganha sentido. 
Aqui ao lado, o meu pai vai dormindo, neste seu tempo em que a esperança é uma luz ténue, e a alegria por vezes esmorece tal como a vela quando já não quer mais iluminar... 




sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Encontro

«Eu não acredito na morte. Morrendo a toda a hora,
Fui encontrando sempre uma vida melhor.»
Angelus Silesius



Eis-me assim "encontrada", ao som deste tempo e momento em que o Outono quer entrar, e ao mesmo tempo se mostra ainda escondido entre os raios de sol. 
Sento neste chão o coração agradecido, porque o corpo já não me deixa fazê-lo. É o custo de ir vivendo e ir morrendo, bem o sei! SC
Mas gosto de sentir  e viver a alegria que transborda na beleza e na cor de cada dia que passa.

(foto da minha amiga Isabel)




domingo, 16 de agosto de 2015

Segredos guardados

A alegria que provém da compaixão é um dos segredos mais bem guardados da humanidade. 

É um segredo só conhecido de muito poucas pessoas, um segredo a descobrir continuamente. Eu, pessoalmente, tive umas «amostras» dela. 

Quando vim para Daybreak, uma comunidade com pessoas com deficiências mentais, pediram-me para passar algumas horas com Adam, um dos membros deficientes da comunidade. 

Todas as manhãs, tinha que o levantar da cama, dar-lhe banho, barbeá-lo, escovar-lhe os dentes, dar-lhe o pequeno-almoço e levá-lo para o lugar onde ele passa todo o seu dia. Durante as primeiras semanas, quase tive medo, sempre preocupado com não fazer nada mal ou com que ele tivesse algum ataque epiléptico. Mas, pouco a pouco, fui ficando mais calmo e comecei a apreciar a nossa rotina diária. 

Com o passar das semanas, descobri que já era com ansiedade que esperava por aquelas duas horas que passava com o Adam. Sempre que pensava nele durante o dia, experimentava um sentimento de gratidão por o considerar meu amigo. Embora ele não fosse capaz de falar e nem sequer de fazer um sinal de agradecimento, havia um autêntico amor entre nós. 

O meu tempo com Adam tornara-se o tempo mais precioso do dia. Quando uma visita amiga me perguntou um dia: «Não poderias passar melhor o tempo que a trabalhar com um homem deficiente? Foi para fazer esse tipo de trabalho que tiraste o teu curso?», compreendi que não era capaz de lhe explicar a alegria que o Adam me trazia. Ele tinha que descobrir isso por si mesmo. A alegria é o dom secreto da compaixão. Continuamos a esquecer-nos disso e inconscientemente procuramo-la em outros lugares. Mas, cada vez que voltamos para onde existe a dor, conseguimos uma nova «amostra» de alegria que não é deste mundo.

Henri Nouwen, Aqui e Agora 
  

«Eu não entendia e os meus pais também teriam as suas dificuldades, mas sempre me ajudaram a compreender que a minha vida era importante e era um bem, e lutavam para que eu vivesse feliz. Nós não tínhamos automóvel mas, o meu pai levava-me a passear aos seus ombros, as minhas irmãs cresceram, e também elas me pegavam ao colo.
Os meus irmãos muitas vezes, pegavam em mim com força na praia e atiravam-me sobre as ondas do mar. Por isso a minha ligação com o mar, com o sol, e com a natureza…»

Hoje relendo este texto tão belo do Henri Nouwen recordo que, mais tarde, escondidinha de todos, deixava sair do meu pequeno coração magoado, algo que não entendia bem, uma sensação desconhecida que aos poucos se foi extinguindo... (das minhas memórias)

«A voz do meu amado: ei-lo que vem correndo sobre os montes». 
(do livro Cântico dos Cânticos 2,8)

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Convite

Viver do silêncio que não é falta de comunicação, é intimidade, é o mistério da comunhão com o mundo, com as pessoas e com Deus. É viver já, aqui e agora, a paz Anunciada e a vida que me tornará mais livre e me ajudará a reconhecer e percorrer cada caminho e a viver cada distância como quem está sempre a chegar bebendo a Água que refresca e acalma todas as sedes.



"Não digas onde acaba o dia.
Onde começa a noite.
Não fales palavras vãs.
As palavras do mundo.
Não digas onde começa a Terra,
Onde termina o céu
Não digas até onde és tu.
Não digas desde onde é Deus.
Não fales palavras vãs.
Desfaze-te da vaidade triste de falar.
Pensa, completamente silencioso,
Até a glória de ficar silencioso,
Sem pensar."

Cecília Meireles


domingo, 12 de julho de 2015

Moro entre o dia e o sonho

«A nossa casa era muito bonita. Além do pequeno quintal que já referi estava rodeada de canteiros floridos. A porta da entrada principal tinha três escadas em granito e um patamar empedrado onde estavam dois canteiros grandes, um que nos pertencia e outro que era comum com a nossa vizinha. Havia hortênsias nesses canteiros, recordo com muito carinho os seus tons azulados de que eu gostava.
A rua tinha passeios largos onde podíamos brincar à vontade, com árvores de folhas verdes. Era frequente à nossa volta ouvir-se o concerto dos passarinhos que por ali pousavam e faziam os seus ninhos.
Do outro lado da estrada estava uma quinta antiga que ficou dentro do bairro e era nesses terrenos que se encontravam as mimosas e as tílias que me deixaram recordações únicas...»  

(das minhas memórias)


Recordei estes momentos ao ler este poema de Rilke

Moro entre o dia e o sonho
Onde cochilam crianças, quentes da correria.
Onde velhos para a noite sentam
e lareiras iluminam e aquecem o lugar.

Moro entre o dia e o sonho.
Onde tocam claros sinos vesperais
e meninas, perdidas da confusão,
descansam à boca do poço.

E uma tília é minha árvore querida;
e todos os verões que nela se calam
movem outra vez os mil galhos,
e acordam de novo entre o dia e o sonho.

Rainer Maria Rilke

quinta-feira, 9 de julho de 2015

reconhecendo-me

Assim me sinto hoje, reconhecendo o Amor do meu Senhor, que me conhece como sou e assim me ama.


«É na disponibilidade que manifestas em dar-me tempo, o tempo de que preciso para percorrer as minhas distâncias, que me reconheço reconhecido.

E na palavra que me dás para que eu possa dizer-me, sim, porque não poderia ter consciência de mim e do dom que a vida é se não narrasse o meu próprio caminho e as direções que tomei, ainda que, tantas, tenham sido erradas. E, também, no lugar que me cedes para que eu assuma, de novo, o meu próprio lugar, à medida e ao ritmo das minhas possibilidades.

Quando me reconheces no que sou - e não me exiges que finja ser o que não sou -, sou eu que reconheço com gratidão o quanto já me foi dado e, sobretudo, o que ainda poderei ser. Assim mesmo, sempre que entre-nós-me-reconheço-reconhecido, já bebo da vida que é eterna - toco a sua origem sagrada, recoloco-a nos lugares do meu quotidiano, confirmo a bondade do desejo de a ver resgatada à usura do tempo. No teu reconhecimento, vivo. Entre-tanto, aprendo a reconhecer que, assim, Deus se me vai revelando.»

José Frazão Correia, in "A Fé vive de afeto"


domingo, 28 de junho de 2015

«TALITHA, QÛM!»

"entre parênteses"

41Tomando a menina pela mão, disse: «Talitha qumi!», isto é, «Menina, sou Eu que te digo: levanta-te!» 42E logo a menina se ergueu e começou a andar, pois tinha doze anos. Todos ficaram assombrados. (Mc. 5, 41-42)

A nada do que acontece Jesus fica alheio nem deixa longe do seu olhar... "Todos ficam assombrados", diz esta passagem do Evangelho que me diz tanto Dele e da força do seu amor.
Como é bom poder acreditar e confiar que a tua vontade é o caminho que me traz a vida, me conduz à vida e me faz viver. 


quarta-feira, 27 de maio de 2015

Tão próximo Senhor


Tão próximo de nós
não tinha estado o
Senhor,
talvez nunca;
uma vez que nunca tínhamos estado 
tão inseguros 
Pedro Arrupe, sj


Assim me sinto hoje, frágil e quase sem poder caminhar mesmo em casa. Vou sorrindo à vida, e qualquer pequeno gesto me faz feliz. Acolho cada dia a graça Daquele a quem chamo diariamente: MEU SENHOR E MEU DEUS!


segunda-feira, 20 de abril de 2015

A experiência de Emaús

Sierger Koder

E quando Se pôs à mesa, tomou o pão, recitou a bênção, partiu-o e entregou-lho. Nesse momento abriram-se-lhes os olhos e reconheceram-n’O. Mas Ele desapareceu da sua presença.
Disseram então um para o outro: «Não ardia cá dentro o nosso coração, quando Ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras?» Levantando-se, voltaram imediatamente para Jerusalém e encontraram reunidos os onze e os seus companheiros, que lhes disseram: «Realmente o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão!» E eles contaram o que lhes tinha acontecido e como Jesus se lhes dera a conhecer, ao partir o pão. (do Evangelho de S. Lucas)

A experiência de Emaús

Ao ler este texto e os acontecimentos narrados pelos discípulos de Emaús, retomo a lembrança das aleluias da noite Pascal, que marcaram com emoção o momento do Glória. Faço desse momento “memória agradecida!” (E.E. Inácio de Loiola).
Sim, Jesus Ressuscitou, está vivo em mim, está vivo nas pessoas que me rodeiam, habita na minha casa, nas ruas da minha cidade… Mora em cada realidade da minha vida!
Como os discípulos faço experiências de desilusão e de falta de fé, mas também de caminhar na presença do Senhor Ressuscitado e de O tocar naquilo que penso e vejo, naquilo que faço e amo e… particularmente de me deixar tocar pelo afeto e pelo Mistério reconhecido simplesmente pelos sinais.  Fecho os olhos por momentos e tudo faz sentido. Tomo consciência que, desde sempre, Jesus se faz presente no meu caminho, tornando-o mais suave. Sinto agora o toque de cada bênção recebida porque nela, é Ele que se Dá. É Ele que me convida a refazer o caminho de Emaús.
No regresso…recolho a luz ténue do dia que termina e peço a graça de um olhar purificado, sobre cada realidade que me rodeia, porque Ele, o Senhor, renova tudo o que em mim perdeu a vida, fortalece todas as incertezas, acalma todos os medos, dá sentido a todas alegrias.

  E, neste Senhor que assim se inclina para se dar em Alimento, eu sei que posso confiar e confiar-me  dizendo: Meu Senhor e meu Deus! Assim me encontras hoje, agradecida…  





terça-feira, 14 de abril de 2015

Na Páscoa dá-se a passagem...


“Porque buscais entre os mortos aquele que Vive?"(Lc 24, 5)

"Na Páscoa dá-se a passagem tão desejada. Passar do medo à confiança. Da separação ao encontro. Do ressentimento ao perdão. Da fraqueza do pecado à fortaleza da Graça. Passar das lágrimas tristes à profunda Alegria. São estas as passagens mais dramáticas da vida. E as mais promissoras... 
Se o grão de trigo caído à terra morrer produzirá muito fruto, não habita no sepulcro a vida que se dá..." 
P. José Frazão, s.j.        


quarta-feira, 1 de abril de 2015

Assim me constranges, Senhor


E se desejas que seja eu a falar agora, 
não, que não sou mais dono da minha boca;
igual a uma ferida, ela quer apenas fechar-se
e as minhas mãos ficam caídas ao longo do corpo
como cães surdos a todo e qualquer apelo.

Assim me constranges, Senhor, a um tempo alheio.

Rainer Maria Rilke 

terça-feira, 17 de março de 2015

A força e as palavras

Porque cada metade de mim, deseja sempre estar inteira... 
Porque nasci inteiramente abençoada e cada momento simples me oferece um sorriso de esperança...
Porque dia-a-dia preciso de recordar que tudo é dom...
Porque oiço e sinto a música de cada silêncio... E quero encher de paz cada momento vazio... 
Curvo-me diante da Única Fonte da qual bebo a água fresca que fortalece a minha vida.


"Que a força do medo que eu tenho
não me impeça de ver o que anseio.
Que a morte de tudo o que acredito
não me tape os ouvidos e a boca,
porque metade de mim é o que eu grito
mas a outra metade é silêncio.
Que a música que eu oiço ao longe
seja linda ainda que triste.
Que a mulher que eu amo
seja para sempre amada
mesmo que distante,
porque metade de mim é partida
mas a outra metade é saudade.
Que as palavras que eu falo
não sejam ouvidas como prece
e nem repetidas com fervor.
Apenas respeitadas como a única coisa
que resta a um homem inundado de sentimentos,
porque metade de mim é o que eu oiço
mas a outra metade é o que calo.
Que esta minha vontade de ir embora
se transforme na calma e na paz
que eu mereço e que esta tensão
que me corrói por dentro
seja um dia recompensado,
porque metade de mim é o que eu penso
mas a outra metade é um vulcão.
Que o medo da solidão se afaste
e que o convívio comigo mesmo
se torne ao menos suportável.
Que o espelho reflicta no meu rosto
um doce sorriso que me lembro de ter dado na infância,
porque metade de mim é a lembrança do que eu fui
e a outra metade, eu não sei.
Que não seja preciso mais
do que uma simples alegria
para me fazer aquietar o espírito
e que o Teu silêncio
me fale cada vez mais,
porque metade de mim é abrigo
mas a outra metade é cansaço.
Que a arte nos aponte uma resposta
mesmo que ela não saiba
e que ninguém a tente complicar
porque é preciso simplicidade
para fazê-la florescer,
porque metade de mim é plateia
e a outra metade é canção.
E que a minha loucura seja perdoada,
porque metade de mim é Amor
e a outra metade também"

"Metade", de Oswaldo Montenegro