domingo, 31 de julho de 2011

Inácio de Loyola




Santo Inácio de Loyola, nasceu em Azpeitia em 24 de Outubro de 1491 e morreu em Roma em 31 de Julho de 1556. Celebramos a festa no dia da sua partida para o Pai. Estas flores são portanto sinal de vida!
Estas flores são para todos vós que ledes o meu blogue e também para aqueles que não o lêem nem conhecem.
Por aqui vão alguns/muitos dos meus sonhos e anseios de aprendizagem no “Amor e no Serviço”.
Sem mais… Só porque sei que esse é o caminho de felicidade que Jesus Cristo me propõe e Inácio me vai ajudando a encontrar.
Deixo uma palavrinha de parabéns a todos os amigos Jesuítas.


terça-feira, 26 de julho de 2011

O Senhor é meu Pastor


Já foi citado por muitos este extrato do último texto de Maria José Nogueira Pinto, que tanto me impressionou como fortaleceu a minha fé, mas não resisto e aqui fica, para partilhar algo que hoje algumas vezes me chegava ao coração como um murmúrio: «Mãezinha, não queiras partir depressa, não queiras...»

..." Neste combate conto com a ciência dos homens e com a graça de Deus, Pai de nós todos, para não ter medo. E também com a família e com os amigos. Esperando o pior, mas confiando no melhor.
Seja qual for o desfecho, como o Senhor é meu pastor, nada me faltará."

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Amor mais...

“Forte como a morte é o amor… Nem as águas caudalosas conseguirão apagar o fogo do amor, nem as torrentes o podem submergir.” Cant 8, 6-7

sábado, 23 de julho de 2011

Inês de olhos doces


Aqui estão os olhos doces e aveludados e o sorriso lindo da minha sobrinha Inês.
E a seguir a uma semana onde a dor, a preocupação e os trabalhos simples e comuns da casa, me mantiveram ocupada e algo tristonha, hoje a sol voltou a entrar pelas frestas do meu olhar e aqui estou a blogar um pouco.
De facto esta nossa menina é de uma ternura infindável, costuma semear flores, tratá-las e regá-las com cuidado... Acho que foi aprendendo a fazê-lo sózinha, com o seu jeitinho natural.
Depois escolhe os momentos especias para oferecer algumas, que vêm sempre embrulhadinhas em papel de alumínio.

Entrega sempre a tua beleza
sem cálculo, sem palavras.
Calas-te. E ela diz por ti: eu sou.
E com mil sentidos chega,
chega finalmente a cada um.

Rainer Maria Rilke,in 
“O Livro das Imagens"

domingo, 17 de julho de 2011

Amo o Caminho que Estendes

Amo o caminho que estendes por dentro das minhas divisões.
Ignoro se um pássaro morto continua o seu voo
Se se recorda dos movimentos migratórios
E das estações.
Mas não me importo de adoecer no teu colo
De dormir ao relento entre as tuas mãos.


Daniel Faria

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Perfume


Bom dia, Ana Teresa, como foste crescendo tão rápido!
Sabes que tens um sorriso bonito que te amo muito e que ontem acrescentaste à minha tarde a tua vivacidade, força e ternura contagiantes?
Hoje já estás longe, mas eu continuo perto e isso dá-me a certeza de que a distância não separa aqueles que se amam.
É que: "Fica sempre um pouco de perfume nas mãos que oferecem rosas"...
Didi


quinta-feira, 7 de julho de 2011

Eis que o Inverno já passou


Acordo envolvida por uma sensação de tranquilidade e de paz, o sol que já desponta no horizonte fala-me do novo dia e promete-me felicidade e luz... mas não tem a última palavra porque eu sei que isso irá depender do meu olhar.

E o primeiro olhar vai para a minha mãe que a meu lado dormita na sua cama de grades, opção indispensável para que ela não caia. Durante a noite baixamos "esse pequeno muro" e um de nós fica mais junto dela procurando fazer-lhe sentir que não está só. Almofadas juntas, cabeças quase juntas e mãos que se vão tocando em gestos de afago e de presença…

A claridade entra no quarto por pequenas frestas mas não a perturba nem a acorda, esquece-se com frequência se é dia ou noite…

E a minha mãe é linda, mesmo adormecida, continua cheia de encanto e vem despertar em mim sentimentos de gratidão e recordações que apontam para um passado feliz de vestidos domingueiros embaloados e floridos, com frango assado ou bifes com batatas fritas ao almoço, pudim flan e laranjada…
Fico algum tempo em silêncio para que o silêncio reze em mim a oração da manhã.
Alice

Deixo um poema de que gosto e foi para mim inspirador.

Eis que o Inverno já passou
Deixa que a respiração profunda
do teu Ser aconteça. Só isso. Não
interrogues, nem busques. Deixa
que seja Deus a procurar-te. Não
caminhes. Ele virá ao teu encontro.
Não procures contemplar. Permite,
antes, que Deus te contemple. Não
rezes. Deixa que, em silêncio, Ele
reze o que tu és.

in Um Deus que Dança, José Tolentino Mendonça


sexta-feira, 1 de julho de 2011

Um olhar apenas

Perdemos repentinamente
a profundidade dos campos
os enigmas singulares
a claridade que juramos
conservar

mas levamos anos
a esquecer alguém
que apenas nos olhou

José Tolentino de Mendonça



Porquê este poema e esta foto?

Simplesmente porque desejo sorrir-vos com amor e assim testemunhar o ânimo, a alma e o toque que um olhar atento e profundo me oferece, me confirma na confiança... e dá Vida à minha vida.
Alice