quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Amor Partilhado

Hoje deixo um pequeno texto que escrevi na Praia do Pedrógão em 2006. Se servir de ajuda, alegria ou incentivo, fico contente. Naquele momento fez-me bem escrevê-lo e agora revi-o um pouco e partilho, aqui fica:

«Releio alguns parágrafos já sublinhados, do livro “O Príncipe e a Lavadeira”, do Pe. Nuno Tovar de Lemos SJ.
Fixo-me numa frase que sempre me faz pensar: “É preciso chorar o desamor”! Segundo o autor está colocada por baixo do cruzamento de olhares: Pedro e Jesus Cristo.
Sempre me fez reflectir e emocionou este encontro entre eles num momento de tanta dor... E agora no meu coração desliza um pouco de emoção, tal como a areia desta praia, onde me encontro, desliza por baixo dos meus sapatos.
A praia que está cheia, do sítio onde me encontro - “ a minha esplanada na areia” - vejo dois mares… Um mar de água e espuma e um mar de pessoas, que se acumulam nos toldos e nos guarda-sóis de todas as cores. Cada qual procura o melhor local, a parte mais limpa, o espaço mais amplo e vão-se acumulando por grupos e por famílias. Aqui na esplanada é igual, vão-se juntando em pequenos grupos, conversam, riem, brincam…
Abstraio-me destes ruídos e fixo o olhar no azul do céu e no mar que está calmo. Então dou-me conta, de que o barulho já é outro, Alguém me fala através das ondas, das pessoas, da vida que se desenrola à minha volta. Tenho um companheiro de esplanada, n’Ele a vida ganha o sentido que lhe é próprio, o sentido do Amor que não vive e se afoga se não for partilhado.
Surge uma lágrima que anuncia a certeza deste toque no meu coração, é lágrima sim! Porque tem sabor a MAR, tem sabor a infinito… E esta lágrima vem lembrar-me como “é preciso também chorar com o amor”. E sorrio porque como Pedro também me sinto tocada pelo Amor, pelo Perdão, pelo Encontro… Cristo passa juntamente com aquela criança que corre pela areia, aquela outra que faz birra por um gelado, uma mãe, uma avó, um senhor que trás um saco de peixe ainda saltitar.
Então, estes rostos diversos de Cristo fazem vaguear o meu pensamento a uma distância sem fim, até ao sítio das minhas traições, até àquele outro momento em que neguei a mim própria o Caminho da felicidade e chorei lágrimas de desespero e de raiva.
Vou-me dando conta também eu, que “é preciso chorar o desamor”, porque é esse o caminho do verdadeiro AMOR!
Chegou outro barco com peixe, será o de Pedro? Divirto-me um pouco… As pessoas correm, correm… quem chega primeiro conseguirá o melhor peixe.
A esse tipo de peixe eu nunca conseguirei chegar!
Continuo sentada calmamente na minha cadeira enterrada na areia, sinto em mim novo vigor, há um sussurro que me fala de esperança e uma brisa leve a apontar para uma VIDA onde o peixe chegará para todos».
Alice

domingo, 24 de agosto de 2008

Oração

“Então, os justos vão responder-lhe: "Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? Quando te vimos peregrino e te recolhemos, ou nu e te vestimos? E quando te vimos doente ou na prisão e te fomos visitar-te?" E o Rei vai dizer-lhes, em resposta: "Em verdade vos digo: Sempre que fizestes isto a um destes irmãos mais pequeninos, a mim mesmo o fizestes."

Hoje Senhor, senti a Tua ausência…
Dei-me conta disso porque precisei de Ti...
Não consegui pensar só pela minha força e reagir pelas minhas capacidades…Queria sentir-Te perto e não fui capaz … Decerto porque não Te procurei com Verdade!
Nunca tinha conseguido compreender bem esta passagem do S. Mateus. Será que agora compreendo?
Estive só, senti-me presa, fiquei doente… e ninguém veio…
Só agora neste fim de tarde, em que o meu pensamento vagueia, o meu coração bate de novo a ritmo normal e o céu começa a ficar estrelado…
Só agora, quando aquelas lágrimas teimosas deixaram de vir aos meus olhos, é que percebo que não é possível teres-me deixado sozinha…
Sinto-me frágil…Tu sabes como sou e me sinto frágil!
Deixa-me ficar assim…escondida nesta fragilidade que me faz desejar somente o Teu abraço.
Alice

sábado, 23 de agosto de 2008

Amar alguém é ser o único a ver um milagre invisível para outros. (Mauriac)


Carolina e Rui, sinto que hoje é um dia muito especial e sinto muita alegria por poder vivê-lo convosco.
Que todos os sonhos que compartilharam ao longo dos últimos anos se tornem realidade feliz porque, abençoada pelo Senhor da VIDA.
Sei que escolhestes, as Bem-Aventuranças, como Evangelho para este momento tão bonito das vossas vidas. De facto aquilo que todos mais desejamos neste mundo é sermos felizes e é também o que Deus, que é nosso Pai, quer para nós.
Então... Que este convite à felicidade à alegria, ao amor, a uma vida de plenitude interior seja acolhido para sempre e seja o lema das vossas vidas.
Com muito carinho: Madrinha


As Bem-Aventuranças -
(Comentário do Bispo de Solsona)

Felizes de vós jovens, que não estais contentes com a maneira como se vai estruturando este mundo, que torna cada vez mais pesados os males que afligem o Homem.

Felizes de vós jovens, que tendes um conceito claro de que os homens não são coisas nem objectos.

Felizes de vós jovens, que sabeis e quereis evitar o consumismo e o erotismo alienantes.

Felizes de vós jovens, fartos de divertimentos, que procurais o ar puro da montanha ou do mar, da alegria e da festa.

Felizes de vós jovens, que tivestes a sorte de descobrir o verdadeiro Jesus de Nazaré entre tantas imagens falseadas.

Felizes de vós jovens, que acreditais em Jesus, na originalidade do Evangelho, no amor operativo e à sua luz fazeis a revisão das vossas atitudes.

Felizes de vós jovens, de coração generoso, que viveis para o serviço dos irmãos com disponibilidade e alegria, atendendo os mais pequenos e mais pobres.

Felizes de vós jovens, que sois testemunho da fraternidade contagiante, num mundo dividido e em conflito.

Felizes de vós jovens, valentes e humildes, que encontrastes em Jesus de Nazaré, o amigo que vos dá a mão e quereis agora segui-lo sem medo até ao cume da montanha.

Felizes de vós jovens, chamados por Jesus a fim de que a vossa vida seja um apelo para todos os homens de todas as raças.

Felizes de vós jovens, que tendes consciência de serdes enviados por Cristo, como os Doze, para proclamar alegremente a Boa Nova, ser ministros da eucaristia e pastores de uma Igreja renovada e viva.

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

"O Pentecostes..." Assembleia Mundial CVX

Ontem, 17 de Agosto, a Assembleia Mundial da Comunidade de Vida Cristã, reunida em Fátima desde o dia 12, e representada por Leigos dos cinco continentes, teve o tão esperado "Dia Aberto" de convívio com membros CVX de Portugal e muitos outros países.
Foi encontro muito bonito, cheio de alegria e mistério. Presidiu à Celebração da Eucaristia o Pe. Adolfo Nicolás, Superior Geral da Companhia de Jesus, que falou dos novos desafios lançados à CVX... Ser cada vez mais, uma só Comunidade, aberta e apostólica e unida na diversidade..."Somos todos iguais: homens e mulheres, estrangeiros e nacionais … O que conta é como e onde nos leva e conduz o Espírito. Somos uma comunidade que afirma todas as diferenças, curando as feridas, os preconceitos do passado. Cristãos operadores de saúde… Somos uma explosão de vida nova - novos horizontes de comunidade".
Eu tive a felicidade de poder estar presente neste encontro, juntamente com a maior parte dos membros da nossa Região "Beira Interior" que, do local de férias onde se encontravam, se congregaram à volta deste acontecimento tão marcante no nosso percurso CVX e na nossa vida como Comunidade.
Senti por um lado o encantamento contagiante do ambiente acolhedor, da grande diversidade de pessoas, quer pela forma de se apresentarem, quer pelas diferentes idades, pelos trajes representativos do seu país, pela linguagem universal, o olhar o sorriso, o canto e o encanto...
E assim me deixei cativar e envolver, saboreando um dia diferente... orante mas alegre, de partilha e Graça, que me fez lembrar "Um novo Pentecostes"!

Para conhecer melhor a CVX - http://www.cvxp.org/

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

As Palavras...

Bom dia!
Tenho sentido nestes dias, em que a doença da minha mãe me fez buscar mais forças.
Ela regressou e está a recuperar, estamos contentes!
Senti muito, através das pessoas, a força que Deus me quer transmitir e a Sua grande Ternura... Vejo que cada vez mais é possivel, conviver lado a lado com a saúde e a doença, com a dificuldade e a paz, com a alegria e a dor.
Recebi alguns comentários neste blog, que, por serem tão sinceros quanto cheios de carinho, publiquei e agradeço.
No entanto, queria deixar claro que sou uma pessoa feliz!
Tenho falado de experiências vividas, assumidas, mas sempre em "processo de integração"... Verdades que não vale a pena iludir... Mas experimento também que tudo se pode converter em VIDA NOVA.

Coloco este 'd' que não é meu, mas faz parte de mim...
“ É extraordinário como palavras tão essenciais como amor, encanto, humano ou eficiente podem mudar radicalmente de sentido pelo facto de lhes ser acrescentada, à partida, um simples ‘d ’. Ou, pior ainda, um perverso ‘d ’ seguido de um ‘e’ e de um ‘s’aparentemente banais, mas fundamentais. Senão vejamos:

“ É extraordinário como palavras tão essenciais como amor, encanto, humano ou eficiente podem mudar radicalmente de sentido pelo facto de lhes ser acrescentada, à partida, um simples ‘d ’. Ou, pior ainda, um perverso ‘d ’ seguido de um ‘e’ e de um ‘s’aparentemente banais, mas fundamentais. Senão vejamos:

A palavra eficiente muda para deficiente; o amor converte-se em desamor; ser humano passa a ser desumano e o encanto desvanece-se e torna-se desencanto. Tudo isto para dizer que devemos prestar mais atenção às palavras e ao uso que fazemos delas. Como diria a raposa ao Principezinho, vê melhor quem vê com o coração pois o essencial é quase sempre invisível aos olhos.
Só olhando com o coração podemos ver que a palavra deficiente tem um ‘d ’ a mais e que toda a dificuldade nos outros nos obriga a um olhar diferente na medida em que nos devolve um mundo de amor, de encanto e de humanidade e de eficiência.”


Laurinda Alves (jornalista)

sábado, 9 de agosto de 2008

Enquanto espero por ti Mãe...

Rezei por si mãe e espero que volte depressa para casa...
Passados os primeiros momentos de impacto doloroso, pela sua ida para o Hopital, consigo escrever um pouco sobre isso. Pensei que seria por pouco tempo e já lá vai uma semana, que para todos nós foi longa.
Hoje ao acordar senti de novo o "vazio" da nossa casa, sem si tudo fica diferente...

Ontem o Evangelho dizia: «Se alguém quiser vir comigo, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. Quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la; mas, quem perder a sua vida por minha causa, há-de encontrá-la». (Mt. 16, 24-25)
Tem sido assim a sua vida mãe, não se esqueça!

Deixo este pequeno texto tão bonito...

Levo-te pela mão, meu filho triste,
E assim havemos de abrir um sulco perfeito,
No coração desta terra.
No teu coração,
Há uma ferida sem fim,
Eu sei,
E sei que encontrarás nos desertos do mundo.
Nas cidades do mundo,
Os sinais da tua mágoa.
Agora, onde estou, é sempre tarde.
Vejo-te a entrar na grande noite dos teus mares,
E ascendo,
Com a minha saudade,
Uma luz intensa sobre os recifes.
Não penses que neste alto alpendre não velo o
Teu sono,
Enquanto espero por ti.

José Agostinho Baptista ( Excerto da obra: O Filho Prodigo)

domingo, 3 de agosto de 2008

O Voo da Céu


A nossa querida Céu, queria aprender a voar...

Não precisou de muito tempo...
Um mês de espera dolorosa, paciente e calma...
Ontem ao fim do dia... quiz experimentar e voou, voou para um Novo Céu!

A Lâmpada Nova
A lâmpada nova
No fim de apagar
Volta a dar a prova

De estar a brilhar.
Assim a sua alma

Deveras desperta
Quando a noite é nua
E se acha deserta.

Vestígio que ergueu
Sem ser no lugar
De onde se perdeu...
Nasce devagar!
Fernando Pessoa

sábado, 2 de agosto de 2008

SÓ POR ISSO, MÃE

Mesmo que a noite esteja escura,
Ou por isso,

Quero acender a minha estrela.
Mesmo que o mar esteja morto,
Ou por isso,
Quero enfunar a minha vela.

Mesmo que a vida esteja nua,
Ou por isso,
Quero vestir-lhe o meu poema.

Só porque tu existes,
Vale a pena!

Lopes Morgado