domingo, 25 de novembro de 2012

JESUS É REI


À pergunta feita por Pilatos Jesus diz: “ Sim, eu sou rei! Mas o meu Reino não é deste mundo”. E Jesus mostrou-nos com a sua vida, isso mesmo. Não reina à maneira dos homens, o Seu reino é o do Amor, da Justiça e da Verdade.
De facto na Sua missão a verdade, a justiça, a paz e o bem, estiveram sempre presentes e foi mostrando a sua concepção e adesão ao Reino que nos anuncia. Assim, Jesus é de facto Rei, mas é rei de um reino diferente. 
É um rei que será despojado das suas coisas e apresentado sem qualquer beleza. A sua coroa será de espinhos e o manto será rasgado e mais tarde sorteado. Não vai conquistar nenhum Reino e não vai ter que representar...Porque “na Cruz Ele diz tudo o que tem a dizer de si próprio” e di-lo com o seu silêncio.
É este o REI em que acredito, é este o REI que move os meus sentimentos, toca a minha alma e dá sentido à minha vida.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

É tudo...

«O meu amigo não é outro que a metade de mim mesmo; antes ele é um outro eu de mim.»  Matteo Ricci


Tenho muitos amigos e por isso  coloco esta frase, que tirei de um  livro do P. Tolentino Mendonça: "Nenhum caminho será longo". Assim digo a muitos como são importantes na minha vida e o somos na vida uns dos outros.
Nestes "muitos" está incluída a minha família que acompanha e dá segurança ao meu dia-a-dia. 
É certo que gostei do livro pelo título e apresentação mas sei que escolhi bem, pois o tema toca o transcendente e o humano e tem também citações muito fortes e belas sobre a amizade. 
Foi com o António meu cunhado e a amiga Zilda, que ontem fui até Montemor-o-Novo, no interior Alentejano, pois é aí, no Hospital de S. João de Deus que fazem o aparelho que uso para poder caminhar. Regressámos ao fim da tarde e pudemos apreciar  a beleza do outono, com o vermelho e o amarelo de tantas árvores, a fazer largos corredores, como que a abrir-nos a passagem em gesto de acolhimento e despedida.
Penso que estes apoios que tanto nos ajudam a caminhar são pouco vistos, andam habitualmente disfarçados pela roupa. 
Pois compreendo... mas aqui está o meu, novinho em folha, correias novas, e... brilhante e... pesado!
Sei que, como sempre, me vai custar a adaptar,  mas seja o que for, será bom. É Tudo! (diria Daniel Faria). E eu digo também: é tudo, é o melhor, o que me equilibra um pouco mais, faz parte de mim,  é um pouco de mim...

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

A seiva



“A doçura de um fruto diz da bondade da árvore que o dá.
Um gesto de Amor diz da grandeza de uma Vida.
E diz da graça divina que tão forte e graciosamente a atravessa.
É esta seiva vital que a tua fé procura e a tua vida testemunha?”  
(um amigo) 




O fruto é medronho (tirado da net)

sábado, 10 de novembro de 2012

Vida + VIDA


Ontem foi o enterro da mãe de um bom amigo. É sacerdote e na missa falou da ressurreição de Lázaro, repetiu de uma forma bastante serena as palavras de Jesus: “Todo aquele que vive e crê em mim não morrerá para sempre. Acreditas nisto?” Jo. 11,26  
Dei-me conta de que aquela família, fazia uma despedida com esperança. 
No cemitério tudo me pareceu mais frio, como é meu hábito olho as campas e não me aproximo muito… Mas fiquei até ao fim…  
Conhecia pouco a srª. Maria José, sei que foi uma mulher que marcou a vida dos seus nove filhos e amigos.  Também não sei bem de que flores ela gostava, mas num dia de festa em que lá estive, vi que à volta da casa havia canteiros floridos dos quais tenho algumas fotos.  Deixo-lhe ficar os seus malmequeres, neste espaço de partilha. 
Esta é a oração que rezo ou canto muitas vezes, e também aqui fica mais uma vez. Creio mesmo, que no céu se encontraram estas duas mães e sorriram.

                     Luz terna, suave, no meio da noite,
Leva-me mais longe.
Não tenho aqui morada permanente
Leva-me mais longe.

Que importa se é tão longe para mim
A praia onde tenho de chegar
Se sobre mim levar constantemente
Poisada a clara luz do Teu olhar?

Nem sempre Te pedi como hoje peço
Para seres a Luz que me ilumina
Mas sei que ao fim terei abrigo e acesso
Na plenitude da Tua luz divina.

Esquece os meus passos mal andados
Meu desamor perdoa e meu pecado
Eu sei que vai raiar a madrugada
E não me deixarás abandonado

Se Tu me dás a mão, não terei medo
Meus passos serão firmes no andar
Luz terna, suave, leva-me mais longe:
Basta-me um passo para a Ti chegar.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

A santidade... em dia de todos os Santos



«A poesia é oferecida a cada pessoa só uma vez e o efeito da negação é irreversível. O amor é oferecido raramente e aquele que o nega algumas vezes depois não o encontra mais. Mas a santidade é oferecida a cada pessoa de novo cada dia, como uma possibilidade, e por isso aqueles que renunciam à santidade são obrigados a repetir a negação todos os dias».

Sophia de Mello Breyner "o retrato de Mónica"