domingo, 26 de fevereiro de 2012

uma boa notícia

Começa um tempo novo, uma nova janela se abre no íntimo de cada pessoa… Uma nova janela quer abrir-se em mim.
Desejo chegar junto dela e perscrutar a vida, presenciar um Deus presente, que em Jesus, me mostra que é possível ver mais longe, ver até à Cruz que dá Vida… É Ele que uma e outra vez renova um convite à liberdade, mas ainda assim repete: “quem quiser seguir-me…”
Deixo uma foto tirada numa janela do Vaticano e uma pequena reflexão.
Boa Quaresma!


“Convertei-vos, porque está próximo o reino de Deus”.
Que podem dizer estas palavras a um homem ou a uma mulher dos nossos dias?
A ninguém nos atrai ouvir um convite à conversão. Pensamos logo em algo custoso e pouco agradável: uma ruptura que nos levaria a uma vida pouco atractiva e pouco desejável. É realmente assim?
O verbo grego que se traduz por “converter-se” significa na realidade “pôr-se a pensar”, “rever o enfoque da nossa vida”, “reajustar a perspectiva”.
As palavras de Jesus poderiam entender-se assim: “Olhai se não tendes que rever e reajustar algo na vossa maneira de pensar e de actuar para que se cumpra em vós o projecto de Deus de uma vida mais humana”.
Converter-nos é “libertar a vida” eliminando medos, egoísmos, tensões e escravidões que nos impedem crescer de maneira sadia e harmoniosa.
“Convertei-vos e acreditai na Boa Notícia”, convida-nos a descobrir a conversão como passo para uma vida mais plena e gratificante.

José Antonio Pagola.
O caminho aberto por Jesus

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Afetos


(…)
Mas a verdade, a grande verdade é que os sentimentos interessam.
Tornam-nos gente.
Ensinam-nos a ser.
Pedem de nós o que trazemos de único e de irrepetível.
E preparam-nos para querer, para desejar receber o mesmo.
Do outro. Da outra.
Um comércio puro, gratuito.
Tão diferente, tão distante
dos rotineiros comércios. (...)


A qualidade do nosso estar, aqui ou noutro lado, as coisas
que temos ou que gostamos mesmo de aprender, os
outros com que vamos tecendo o quotidiano, o sentido
mais profundo que buscamos emprestar à nossa vida
dão-nos estofo. Firmeza interior.
Capacidade de construir.


Não aconteça sermos nós
uns atrasos de vida que fazem emperrar
os essenciais sentimentos.

 P. José Tolentino Mendonça (excerto)

Foto - Steve McCurry

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Amizade


Deixo a foto de um amigo jesuíta, que no México, a fazer uma parte da sua formação, hoje se faz presença de amizade neste quadro de beleza natural. 
Enquanto permaneceu na nossa cidade, foi "mestre" em me recordar diversas vezes que a "bondade é firme e o amor é exigente", que é importante que amemos os outros, contemos com os outros, invistamos nos outros mas sempre sem criar expectativas... e preparados para os resultados da fragilidade humana. Todos somos de ouro, mas vivemos vestidos de muito barro.

Aqui ficam estas palavras que hoje me soam a verdade,  a vidas que se cruzam e permanecem na memória para sempre.


(Foto padre Francisco Rodrigues, sj)

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012


A árvore foi a forma de te ver
E desci para abrir a casa.
De me teres visitado e avistado
Entre os ramos
Fizeste-me passagem
Da folha ao voo do pássaro
Do sol à doçura do fruto.
Para me encontrares me deste
A pequenez.

Daniel Faria