domingo, 9 de fevereiro de 2014

As pérolas


Esta manhã quando entrei na cozinha reparei que a minha orquídea estava um pouco dobrada sobre si própria, mais do que habitualmente, e chorava... Pequenas gotas saídas de cada nó, escorriam-lhe pela haste miudinha e frágil. 
De facto há alguns dias que eu esperava a flor que parecia querer desabrochar a qualquer momento, mas hoje ela se desfaz em lágrimas transparentes.
São lágrimas muito particulares, redondas e brilhantes como pérolas preciosas que recebo e acolho como um dom que me recorda a fecundidade da natureza a irradiar o seu encanto. O dom que na natureza é espaço da criação, do nascimento e da vida. 



Sem comentários: