sábado, 15 de março de 2014

O som do silêncio

Olho o som do silêncio a partir deste recanto. Sentada numa pedra que, no meio do caminho, me serve de apoio e guarda o cansaço dos meus pés.
Penso o silêncio cheio de claridade e de paz, do verde da paisagem e do azul do mar. Sinto-o esvaziado de pensamentos poluídos pela incerteza e marcado pela promessa de percursos sempre abertos à vida.
Penso um silêncio que me dá a palavra para dizer de mim... em silêncio!
Alice

O som do silêncio

Devagar, como se tivesse todo o tempo do dia,
descasco a laranja que o sol me pôs pela frente. É
o tempo do silêncio, digo, e ouço as palavras
que saem de dentro dele, e me dizem que
o poema é feito de muitos silêncios,
colados como os gomos da laranja que
descasco. E quando levanto o fruto à altura
dos olhos, e o ponho contra o céu, ouço
os versos soltos de todos os silêncios
entrarem no poema, como se os versos
fossem como os gomos que tirei de dentro
da laranja, deixando-a pronta para o poema
que nasce quando o silêncio sai de dentro dela.

Nuno Júdice



Sem comentários: