domingo, 12 de julho de 2015

Moro entre o dia e o sonho

«A nossa casa era muito bonita. Além do pequeno quintal que já referi estava rodeada de canteiros floridos. A porta da entrada principal tinha três escadas em granito e um patamar empedrado onde estavam dois canteiros grandes, um que nos pertencia e outro que era comum com a nossa vizinha. Havia hortênsias nesses canteiros, recordo com muito carinho os seus tons azulados de que eu gostava.
A rua tinha passeios largos onde podíamos brincar à vontade, com árvores de folhas verdes. Era frequente à nossa volta ouvir-se o concerto dos passarinhos que por ali pousavam e faziam os seus ninhos.
Do outro lado da estrada estava uma quinta antiga que ficou dentro do bairro e era nesses terrenos que se encontravam as mimosas e as tílias que me deixaram recordações únicas...»  

(das minhas memórias)


Recordei estes momentos ao ler este poema de Rilke

Moro entre o dia e o sonho
Onde cochilam crianças, quentes da correria.
Onde velhos para a noite sentam
e lareiras iluminam e aquecem o lugar.

Moro entre o dia e o sonho.
Onde tocam claros sinos vesperais
e meninas, perdidas da confusão,
descansam à boca do poço.

E uma tília é minha árvore querida;
e todos os verões que nela se calam
movem outra vez os mil galhos,
e acordam de novo entre o dia e o sonho.

Rainer Maria Rilke

Sem comentários: