quarta-feira, 29 de julho de 2009

Eu e os outros

Por ser para mim tão motivador este pequeno texto, deixo-o ficar para que outros possam ler e colher o bem que pode fazer a cada um. Para mim é motivo de oração por um lado, por outro de consciencialização dos meus limites e da minha missão nesta fase da vida. Não sei quem escreveu.

O trabalho que a mãe tem com um filho pequeno é interminável, não olha a horários, não se compadece com o dia ou com a noite. Mas até esta incansável lida de mãe nos parece fácil perante o trabalho que muitos têm com um idoso ou um incontinente. A mãe trata do corpo precioso do filho, do corpo pleno de promessas e de futuro do seu bebé, e a confiança e o sorriso que ele lhe devolve recompensam-na. Quando envelhecemos, o nosso corpo degrada-se, não o controlamos, tornamo-nos difíceis de ajudar e de aturar. O orgulho, a vergonha e a raiva de nos vermos assim diminuídos impedem-nos de aceitar de boa cara o apoio de que necessitamos e que nos oferecem, tornamo-nos avarentos na gratidão e nos sorrisos. Por todo mundo há inúmeras mulheres, maridos, filhos, parentes, funcionários ou amigos cuja existência diária gira em volta da higiene e dos cuidados prestados àqueles que amam. "O teu Pai, que vê o oculto, há-de recompensar-te" (Mt 6:6). É uma doutrina que parece fora de moda. Thomas A. Kempis (autor de A Imitação de Cristo) incita-nos a valorizar o anonimato, a invisibilidade. Fala-nos da virtude de perseverar no tédio, de sobreviver sem o oxigénio da gratidão, do reconhecimento, do enaltecimento, do carinho; da prática diária e calada de boas acções que só Deus pode ver, conhecer e reconhecer. Os que assim cuidam dos outros estão entre os mais heróicos dos homens e mulheres.

2 comentários:

Paulo Costa disse...

Lindo...
O verdadeiro e puro amor é gratuito, desinteressado, incondicional, humilde...não espera retribuição...

Que Deus nos dê a graça dum coração puro e pleno do Seu Amor.

Abraço fraterno!

Anónimo disse...

Alice

Vou imprimir e entregá-lo à minha mãe. Sabes porquê! E se o entregasse a mais alguém... podia ser a ti!

Beijinho e malmequeres da serra,
Paula