terça-feira, 21 de junho de 2011

Promessa do Amor

Ao olhar esta simples flor que se espelha na água, vem à minha memória a carta de S. Paulo aos Coríntios de que tanto gosto.
Procuro abrir um pouco a mente e o coração que, por vezes, como quem quer fugir do desconhecido, se fecham à beleza da vida na ansiedade e na dor do presente.
E deixo-me então embalar nesta promessa: "Agora vejo como num espelho, mas depois verei face a face"...


O Amor...
Tudo desculpa, tudo crê,
tudo espera, tudo suporta.
O amor jamais passará.
As profecias terão o seu fim,
o dom das línguas terminará
e a ciência vai ser inútil.
Pois o nosso conhecimento é imperfeito
e também imperfeita é a nossa profecia.
Mas, quando vier o que é perfeito,
o que é imperfeito desaparecerá.
Quando eu era criança,
falava como criança,
pensava como criança,
raciocinava como criança.
Mas, quando me tornei homem,
deixei o que era próprio de criança.
Agora, vemos como num espelho,
de maneira confusa;
depois, veremos face a face.
Agora, conheço de modo imperfeito;
depois, conhecerei como sou conhecido.

1 Cor 13, 7-12

Sem comentários: