sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Falo do dia de Todos os Santos e da minha terra

Hoje é um dia, em que relembramos o sentido da vida que nos vem da fé. Movimentam-se pessoas e ramos de flores, enfeitam-se os cemitérios, pensamos nas pessoas que se ausentaram do nosso convívio para uma vida feliz que não acabará nunca. Falamos uns com os outros, de Todos os Santos e de felicidade…
E de facto a Felicidade acontece nas possibilidades e nas pequenas certezas do dia-a-dia, está à distância do meu querer, do amor que ponho, ou não, nas coisas que faço, está onde estiver um sorriso ou um abraço…
Olhando este dia de Outono que entrou cheio de força e suavidade nas nossas vidas, se instalou e nos dá menos tempo de luz, penso em tudo quanto é pequeno, frágil e mesmo assim nos alegra e faz felizes, porque nos ensina a amar mais. 
Deixo estas fotos da “minha terra” e uma reflexão sobre a santidade que faz sentido e se faz convite para mim.

«A flor do mundo é a santidade. Ela dá flexibilidade à dureza, torna uno o dividido, dá liberdade ao aprisionado, põe esperança nos corações abatidos, esconde o pão no regaço dos famintos, abraça-se à dor dos que choram. A santidade é anónima e sem alarde. Expressa-se no pequeno, no quotidiano, no usual»

P. Tolentino de Mendonça


Fotos - amiga Zilda

Sem comentários: