segunda-feira, 25 de março de 2013

Semana Santa - reflexão e poesia

Começámos hoje a Semana Santa. O Domingo de Ramos é uma celebração muito forte e cheia de significado, apelos interiores e de desejos viver e crescer na fé. Também nós/eu, tínhamos ramos e cantámos “Hossana ó Filho de David” como os que aclamaram a entrada de Jesus em Jerusalém.

“A fé vive de afecto…” E, como assim o creio, também eu me quero deixar tocar afectivamente por este acontecimento e torná-lo Vida em mim.  

Sei que esta festa rapidamente se tornou para Jesus em condenação e que levará Jesus até à morte e dou-me conta de não me é estranha esta forma de actuar. Quando tudo está bem aplaudimos e o contrário acontece imediatamente quando se quebram as nossas expectativas. Aí a fragilidade e a falta de confiança vêem ao de cima com uma força que é atroz e que dói.

Hoje ao ouvir a leitura da Paixão (de S. Lucas), percebi os silêncios de Jesus. A partir do meio da narração as Suas palavras começaram a ser cada vez mais escassas: «Vós mesmos dizeis que Eu sou». «Tu o dizes». «Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem».


É este Jesus que vemos diante de Caifás que, agora zangado, levanta a mão Àquele se torna uma ameaça ao seu poder. Jesus apresenta-se como uma alternativa à verdade de Caifás, uma alternativa de amor verdadeiro… E fala de coisas diferentes, tem gestos de compaixão e os seus silêncios são uma afronta ao conforto em que se instalara.


Que semana te espera comigo Senhor? Que semana me espera Contigo?  Subiremos a Jerusalém num encontro de amor e fragilidade que se misturam e sr tocam... Que hostilidades farei? Que hostilidades encontrarei pelo caminho? Como ficarei diante de Ti, Senhor-Rei que tens  espinhos por coroa?

«Vê-Lo-ás preso e, como todos os outros, fugirás. Depois, voltarás e aguentarás, em pé, perante a cruz, perplexo, dorido… E depois?»
 (cito autor desconhecido)
  
 É raro
Eu sei que é muito raro
acontecer
este encontro harmonioso
de tudo quanto sou
com o que fui
sem que me importe muito
de momento
com os caminhos de mim
que ainda desconheço
e que serei
ao tê-los desvendado
nem com aqueles que recusei
para chegar aqui...

(Hélder Macedo)




Sem comentários: