terça-feira, 10 de março de 2009

Oração

"O homem é criado para louvar, reverenciar e servir a Deus nosso Senhor e mediante isto salvar a sua alma.”

"Principio e Fundamento" (EE, nº. 23) II Parte




E as OUTRAS COISAS sobre a face da terra
são criadas para o homem, para o ajudarem a conseguir o FIM para que é criado.

PRINCIPIO DO EQUILÍBRIO (ou do ver tudo com os olhos de Deus e não do meio­ termo)

Donde se CONCLUI que o homem há-de usar delas TANTO QUANTO o ajudarem para o seu fim, e abster-se delas TANTO QUANTO (na medida em que) disso o impeçam... Se usa MAL por defeito ou por excesso, abusa.

Neste projecto que é de Deus, o homem não pode relacionar-se com as pessoas e situações segundo o seu egoísmo ou capricho, mas sim segundo o critério da sua finalidade e verdadeiro Bem.

É a chamada regra de ouro do "tanto...quanto”.


Santo Inácio como recorda a relatividade do mundo presente. Não a oposição entre o importante e o relativo. Ao importante opõe-se o insignificante; ao relativo opõe-se o absoluto. Tudo é bom, mas tudo é relativo, temporário, destinado a terminar.

Vamos continuar?

É importante preparar oração. Se tivermos um texto bíblico, ler o texto e procurar entender o que ele nos quer transmitir. Escolher e fixar os pontos que mais podem ajudar no encontro com Deus.


Determinar o tempo que se pretende dar à oração (e tentar ser fiel ao tempo determinado).

Determinar o lugar onde possa ter sossego, silêncio exterior e interior, enfim, concentração...

Nesta etapa, poderemos reflectir deste modo: As coisas são um meio, não são um fim.

O que é definitivo está em Deus que que tudo cria por causa de todos nós.

Sendo assim devo trabalhar numa medida de equilibrio, para poder tirar partido de tudo. Cada vez que não uso equilibradamente as coisas, faço-me escravo delas, perco a preciosa regra do tanto quanto.
O sofrimento é doloroso, mas passageiro, mesmo que prolongado; a alegria deste mundo é boa, mas não definitiva; os bens materiais são bons, mas acabam.

Apesar de boas em si mesmas, as "coisas" nem sempre, pelo uso que delas fazemos, são caminho para a vontade do Pai: o Amor.


Continuo a pedir a capacidade de me ver em Deus, e a partir daí me relacionar com todas as coisas, escolhendo o que mais me conduz à verdadeira realização.

Texto de apoio - Mt.6, 25-30

25«Por isso vos digo: Não vos inquieteis quanto à vossa vida, com o que haveis de comer ou beber, nem quanto ao vosso corpo, com o que haveis de vestir. Porventura não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que o vestido? 26Olhai as aves do céu: não semeiam nem ceifam nem recolhem em celeiros; e o vosso Pai celeste alimenta-as. Não valeis vós mais do que elas?
27Qual de vós, por mais que se preocupe, pode acrescentar um só côvado à duração de sua vida?
28Porque vos preocupais com o vestuário? Olhai como crescem os lírios do campo: não trabalham nem fiam! 29Pois Eu vos digo: Nem Salomão, em toda a sua magnificência, se vestiu como qualquer deles. 30
*Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã será lançada ao fogo, como não fará muito mais por vós, homens de pouca fé?

Nota- Será útil ver as postagens sobre EE

Sem comentários: