segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Ainda la luna


Alguém me perguntava ontem, o porquê do meu post anterior... Porque sim... porque gosto do pensamento, poderia simplesmente dizer.


Mas gostaria também de falar sobre o que pensei e me ocorre neste momento e da mensagem que nos pode transmitir...
Penso que tudo aquilo que nos oculta é também o que nos impede ver, de olhar a vida e tudo o que nos rodeia, de contemplar a natureza com toda a sua beleza, as pessoas com quem lidamos, enfim... tantas coisas boas à nossa volta.
Se estou despojada e sem prisões ou obstáculos, sinto-me mais livre e feliz.
Se me encolho, se me meto dentro da concha, como o caracol, não cresço para a vida e não voo em direcção ao infinito e ao céu. Verdadeiramente: não caminho ao encontro do AMOR.
É claro que tudo isto não é fácil, faz parte do percurso que todos temos de fazer e tem muito a ver, com o modo como usamos a nossa liberdade, como olhamos o mundo à nossa volta e como contribuímos para o tornar melhor.
Sempre me encantou a ideia de que Santo Inácio de Loiola, passava muito tempo a contemplar as estrelas...
Em Roma ele estava muitas vezes no terraço da casa e aí, olhando o céu, falava com o "Senhor de Todas as Coisas", como é referido em muitos escritos sobre a sua vida.
A minha casa tem telhado, mas em algumas noites, fico um pouco na varanda do meu quarto e gosto de olhar a lua e as estrelas. São momentos ora de paz ora de alguma turbulência, mas são momentos bons para mim.
Pena que haja muitas noites sem ESTRELAS!

1 comentário:

Dulce Gomes disse...

Alice, que bom foi ler o seu texto. Cheio de saboderia, de garra de viver e de amor. E sempre em busca da liberdade...do espírito, acima de tudo.
Um beijo do coração.