domingo, 16 de outubro de 2011

Estranho é o sono que não te devolve

Passado um mês da tua partida, deixo-te uma flor e um poema ... Desculpa-me mãezinha, não consigo ir ao cemitério! Mas irei mais tarde... Estou sempre perto de ti mesmo aqui, mesmo não indo...

Estranho é o sono que não te devolve.
Como é estrangeiro o sossego
De quem não espera recado.
Essa sombra como é a alma
De quem já só por dentro se ilumina
E surpreende
E por fora é
Apenas peso de ser tarde. Como é
Amargo não poder guardar-te
Em chão mais próximo do coração.
Daniel Faria
Pintura: Van Gogh (Ramo de amendoeira)

1 comentário:

Anónimo disse...

Olá Alicinha
Um recadinho só para dizer que estou sempre contigo. Força! SÊ FELIZ!
Beijinhos, Fátima Rabaça