quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Mudar a direcção do olhar...


Ontem coloquei mimosas
para ilustrar um poema de Daniel Faria.

Mais tarde lembrei-me de algumas conversas com um amigo, falamos sobre questões de fé, de arte e também da beleza da natureza que tanto nos fala de Deus. Nessa tarde, olhávamos as mimosas e falávamos da forma como elas crescem invadindo e ocupando tudo o que está à sua volta.


Estas conversas levam-nos habitualmente a um diálogo mais profundo que  nesse dia versou sobre o respeito que cada um de nós deve "ao outro" à "natureza" à vida no seu todo e a si próprio... como ser amado e criado à semelhança de Deus.


Hoje reflectia um pouco, condicionada ainda por alguns sentimentos menos alegres,  em como um crescimento lento pode ser produtivo, não faz mal, não invade o outro e até pode ajudar... isso faz-me acreditar que é lentamente que posso ir crescendo, em Deus e para Deus.


Recordei-me mais uma vez, que cresci num bairro simples, onde as mimosas se desenvolviam à vontade misturadas com as tílias, que nos serviam para fazer um saboroso chá.


Na verdade eu gosto mesmo de mimosas, ficou-me esta afeição porque elas me viram crescer, ampararam os meus passos vacilantes, deram-nos a sombra de que precisávamos para brincar na rua, nos dias quentes de verão. 


Então eu diria como Saint-Exupéri:
 
"Para enxergar claro, bastar mudar a direção do olhar."


Sem comentários: