domingo, 3 de agosto de 2008

O Voo da Céu


A nossa querida Céu, queria aprender a voar...

Não precisou de muito tempo...
Um mês de espera dolorosa, paciente e calma...
Ontem ao fim do dia... quiz experimentar e voou, voou para um Novo Céu!

A Lâmpada Nova
A lâmpada nova
No fim de apagar
Volta a dar a prova

De estar a brilhar.
Assim a sua alma

Deveras desperta
Quando a noite é nua
E se acha deserta.

Vestígio que ergueu
Sem ser no lugar
De onde se perdeu...
Nasce devagar!
Fernando Pessoa

4 comentários:

Maria Manuel disse...

A Céu
Lembro-me da Céu como uma flor do campo, linda e singela, que resiste ao sol e à chuva, ao vento e ao granizo, sempre pronta a ser colhida. Lembro-me do seu olhar doce e do seu sorriso tímido mas meigo e contangiante.
Bem haja, Céu, pelo seu silêncio de vida.
Com todo o carinho da
Maria Manuel

Anónimo disse...

A Céu que voou para o Céu depois de um exemplo de vida de simplicidade, serenidade e silêncio.
Por detrás daquela aparência franzina e frágil existia uma grande mulher. Lembro-me da Céu como daquelas pessoas que são imortais, com uma sabedoria de vida invulgar, com um sentido de vida invejável aos olhos do mundo. A idade cronológica contrariava as suas conversas sobre as adversidades da vida dos mais novos, com quem ela se identificava sempre e sobre todos os temas das actualidades. Para cada momento tinha as palavras certas, os braços abertos para um momento das nossas fragilidades. No seu silêncio ía observando os que a rodeavam e estava sempre atenta para poder ajudar quem precisasse.
As suas amizades sempre muito verdadeiras e transparentes abarcavam todas as idades, adaptando-se sempre, dando conselhos muito sábios e com a FÉ de raízes fortes bem amarradas ao 'Pai'.
Sempre lutou pela rectidão e justiça; como ela própria dizia: «Eu sou pela verdade»!! Em todos os problemas gostava de abrir o Bíblia aleatoriamente, ler, conversar com Jesus e dizia: «que o Divino Espírito Santo me ilumine». Depois, coerentemente, mas sempre no caminho da verdade, enfrentava-os com magnificiência, inteligência e serenidade.
Mulher de fé, nos ultimos momentos, o olhar sereno transparecia o que sentia e o que sempre vivera.
Sem duvida que temos mais uma estrelinha que nos protege no caminho que nos resta percorrer!!
Obrigado Ceuzinha por tudo o que significaste para mim.Por me ensinares o que é a verdadeira amizade... Agradeço-te em especial, por há 20 anos atrás me convidares para cantar no coro... abriste-me uma porta que me permitiu percorrer o caminho que tu sabes que percorri.
Bem-haja!! Permanecerás sempre nas nossas vidas...
Nuno Miguel

Natália disse...

Não tenho muitas palavras... Foi uma surpresa...

O que guardo da Céu é o carinho imenso que ela tinha pelas pessoas!

Na azáfama dos Domingos, antes da missa, em plena confusão da Barcarola, era das poucas pessoas, que tinha sempre tempo para me ir dar um olá e manter uma conversa sempre simpática.

Também a minha mãe ficou chocada, pois a Céu quando a via tinha também sempre uma palavra carinhosa e perguntar pelo "esgroviado" do meu irmão...

Até qualquer dia Céu e... olha por nós!

Zilda disse...

A Ceu "companheira de catequese" foram as suas palavras quando a fui visitar ao hospital. É assim que a recordo sempre pontual com o ramo de flores naturais para colucar junto à biblia. No ensino da Palavra de Deus a reverência posta em gestos e sinais tornou-se um testemunho elequente. Disfrutei da sua amizade serena, simples e discreta. Hoje, embora com magoa pela sua partida, sinto também alegria porque um dia as nossas vidas se cruzaram. Companheiras uma vez companheiras pra sempre