quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Confio e sonho

De novo...

Hoje a vida reservou-me um dia difícil, havia uma colonoscopia para fazer: A preparação durante o dia e ao fim da tarde uma viagem a Castelo Branco com a minha amiga Zilda.

Pensei que não ía aguentar... (esqueci de repente que a gente aguenta sempre), porque as dores eram muito fortes, perdi um pouco a noção... sabia que a médica e a enfermeira estavam comigo, carinhosas ajudaram-me o máximo, diziam para abrir os olhos, procuravam a melhor forma...
Este exame não custaria tanto se o meu intestino não estivesse fragilizado pelas cirurgias, habitualmente não é assim doloroso.

Regresso a casa, não digo muitas coisas aos meus pais, estou doente sobretudo por dentro, com a sensação de que não sou capaz de sonhar...
Queria conseguir rezar.

2 comentários:

Falconetti disse...

Hoje, o unico que te posso dizer é umas palavras de conforto e força.
Como diz o Padre Vasco -"não é o porquê de tanto sofrimento mas o para quê" .O sofrimento não se explica como ideia de castigo.Explica-se de alguma forma,por ser a interioridade de um processo de transformação-
Realmente é verdade,o sofrimento não se explica. Aprende-se de alguma maneira a viver com ele e a fazer dele uma força ,e uma forma de crescimento.Não desanimes e continua a tratar-te ,a curar-te ,a caminhar de novo.E quando não tiveres força para rezar, pede as tuas amigas que rezem por ti,que é para isso que servem os amigos(para nos alegramos com as tuas alegrias e te acompanharmos e ajudarmos nos dias de sofrimento)

Um gde bj

Paulo Costa disse...

Muita força e coragem!
Entendo que não sinta força para rezar nesses momentos. Mas, por vezes, o silêncio também é uma oração profunda, sentida e autêntica.
É doloroso, eu sei... O sofrimento parece não fazer sentido.

"Deus não veio suprimir o sofrimento, nem mesmo explicá-lo, mas veio enchê-lo da sua presença." (Paul Claudel)

"O cristão não é um voluntário do sofrimento, mas do amor, um amor que amadurece também através do sofrimento." (G. Davanzo)

"Depois da vinda de Cristo, ficamos livres não do mal de sofrer, mas do mal de sofrer inutilmente." (P. Charles)

Sei que gosta imenso de Henri Nouwen, por isso é com alegria que partilho consigo este texto maravilhoso:

«Mas é precisamente aqui, durante a dor, a pobreza ou a fraqueza que o Dançarino convida-nos a levantar e a dar os primeiros passos. É dentro do nosso sofrimento, e nunca fora dele, que Jesus entra em nossa tristeza, toma-nos pela mão, puxa-nos gentilmente fazendo-nos ficar de pé e convida-nos a dançar. E descobrimos o caminho da oração, como o salmista; converteste o meu pranto em dança (Salmos 30:11), porque, no âmago da nossa tristeza encontramos a graça de Deus.
E, enquanto dançamos, percebemos que não precisamos ficar confinados ao diminuto espaço da nossa tristeza, mas podemos sair dali. Paramos de centralizar nossa vida em nós mesmos. Chamamos outros para dançarem connosco a dança maior. Aprendemos a dar espaço aos outros, e principalmente ao “Outro gracioso” que está em nosso meio. E quando nos fazemos presentes para Deus e Seu povo, nossa vida enriquece-se ainda mais. E constatamos que o mundo é nossa pista de dança. Nosso passo torna-se mais leve e ligeiro, porque Deus está chamando outros a dançarem também.» - Henri Nouwen, em "Transforma meu pranto em dança"

Se tiver tempo e disposição, convido-a a ler uma pequena e preciosa "notícia". Basta aceder a este link: http://derrotarmontanhas.blogspot.com/2008/12/no-aparecer-em-nenhum-noticirio-do.html

Desejo-lhe tudo de bom!
Vou orar por si.

Abraço fraterno!