domingo, 27 de fevereiro de 2011

"Não vos inquieteis com o dia de amanhã...Olhai as aves dos céus! "


Hoje gostaria de conseguir que o meu dia fosse marcado por esta temática que me trouxe a liturgia. Nem sempre me é fácil porque, passados estes momentos de paragem em que me sento e escrevo um pouco, a vida recomeça numa corrida imprevisível que por vezes não consigo gerir com a tranquilidade que gostaria.

Inácio de Loyola, fala-nos do "desejo de desejar" como algo que já produz frutos de VIDA e AMOR, e por isso, hoje e sempre desejo Senhor, perder os medos que não me ajudam a apreciar a beleza do mundo que me rodeia... a acreditar na bondade das pessoas e a amar-Te em tudo e em todos.
Ontem alguém falava sobre os nossos medos, e recordava que eles são como o fumo, cabem dentro de uma das nossas mãos e quando abrimos a mão, eles não estão mais lá, porque na palma da nossa mão está tatuado o nosso nome e o grande amor que Deus Pai tem por cada pessoa.

«Não vos preocupeis, quanto à vossa vida, com o que haveis de comer ou de beber, nem, quanto ao vosso corpo, com o que haveis de vestir.
Não é a vida mais do que o alimento e o corpo mais do que o vestuário?
Olhai para as aves do céu: não semeiam nem ceifam nem recolhem em celeiros; o vosso Pai celeste as sustenta. Não valeis vós muito mais do que elas?
Quem de entre vós, por mais que se preocupe, pode acrescentar um só côvado à sua estatura?
E porque vos inquietais com o vestuário?

Olhai como crescem os lírios do campo: não trabalham nem fiam; mas Eu vos digo: nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como um deles...» (Mt. 6.25-29)

O que nos pré-ocupa, ocupa-nos de tal maneira que não nos deixa tempo para o essencial para aquilo que é mais valioso… Para a vida, para Deus, para os irmãos!
Por isso hoje desejo abandonar-me nas mãos deste Pai sem me inquietar demasiado, pois CREIO que em cada dia Ele me vai dando aquilo que verdadeiramente necessito.
E é nestes desejos nem sempre conseguidos, que eu vou aprendendo a olhar a vida com mais tranquilidade e a superar alguns desafios num silêncio que pode ser produtivo, porque não destrói, não perturba nem deseja magoar... E depois cada momento vai acontecendo na certeza de que sou uma filha muito amada.

Sem comentários: